Banco PanAmericano: equívoco motivou empréstimo em nome de Lula, diz suspeita

SÃO PAULO - Um equívoco motivado pela curiosidade originou dois empréstimos consignados feitos por engano em nome do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 2007. Foi esta a versão apresentada pela funcionária do banco Panamericano à polícia de Uruguaiana, na fronteira do Rio Grande do Sul com o Uruguai, demitida na época por ter sido a responsável pela operação. Ela é investigada por suspeita de estelionato.

"Ela disse que foi um equívoco, pois teria consultado o número da Previdência de Lula por brincadeira e este número ficou armazenado no sistema. A suspeita alega que não mudou o número e acabou fazendo as operações sem querer. Vamos avaliar o conteúdo das outras provas para definir se é um crime ou não", disse o delegado Raimundo Ramonilson, que investiga o caso.

Os empréstimos foram concedidos para dois idosos da cidade que têm mais de 70 anos e, aparentemente, não se conhecem. Eles foram intimados e devem prestar depoimento na próxima semana.

Em 2007, a suspeita era de que estelionatários teriam usado laranjas para conseguir os empréstimos em nome de Lula. Durante três anos, a Polícia Federal(PF) tentou identificar os responsáveis pelo vazamento do número da Previdência de Lula pelo IP dos computadores manipulados, mas não obteve sucesso e o inquérito foi arquivado.

"Diante das novas provas que forem surgindo, a funcionária do banco será chamada para outros depoimentos e pode ser indiciada por estelionato", afirmou o delegado Raimundo Ramonilson. O número da Previdência de Lula circulou na internet através de uma corrente de e-mails. Os dois empréstimos, que somaram R$ 5 mil, foram possíveis porque não constava o nome do ex-presidente, apenas o número do benefício.