Discussão sobre valor do mínimo não deve ser afetada por divisão de cargos, diz novo líder do PT

O novo líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), assumiu o cargo hoje (11) com a tarefa de impedir que a disputa por cargos no governo contamine as discussões sobre o valor do salário mínimo.

“Vamos tentar fazer que qualquer crise que afete o relacionamento dos partidos da base do governo não se reflita aqui dentro. A ocupação de espaços no governo é um assunto que diz respeito ao governo. Não achamos que haja vinculação entre as duas coisas [escolha de cargos e valor do salário mínimo]”, disse Costa, que foi ministro da Saúde no governo Lula.

Apesar disso, ele afirmou que o valor do mínimo terá que ser discutido para buscar uma solução que “agrade os movimentos sociais e contemple as necessidades do governo”. O novo líder foi eleito está tarde, em encontro que reuniu 12 dos 15 senadores que vão compor a bancada petista a partir de 1º de fevereiro.

O presidente do partido, José Eduardo Dutra, também participou da reunião. Ao fim do encontro, ele também procurou atenuar os possíveis efeitos da insatisfação dos partidos da base nos planos do governo.

“Vamos conversar e cada partido terá espaço de acordo com o seu tamanho. O importante é que as pessoas que venham a ocupar esses cargos, independente de filiação partidária, tenham condições de fazer isso”, disse Dutra.

Sobre a possibilidade de criação de uma nova Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) para financiar a saúde, Humberto Costa disse que o assunto deverá ser avaliado nas discussões sobre a reforma tributária e não separadamente.