Ministério Público Eleitoral pede rejeição de contas da deputada Manuela D'Avila

Brasília – O Ministério Público Eleitoral entrou com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo a rejeição das contas da deputada federal Manuela D'Avila (PCdoB-RS) por irregularidade insanável. Ela é acusada de ter recebido R$ 100 mil em doações da Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma). Segundo o Ministério Público, a entidade não poderia fazer doações por ser considerada entidade de classe.

O recurso apresentado ao TSE contesta decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio Grande do Sul (TRE-RS), que entendeu que a Interfarma não se encaixa na exceção da legislação eleitoral, uma vez que não recebe recursos públicos nem contribuição compulsória.

O Ministério Público Eleitoral defende que a Interfarma representa os interesses dos laboratórios farmacêuticos instalados no Brasil, uma vez que é composta por associados que representam 54% do mercado brasileiro de medicamentos.

Manuela D'Avila foi a candidata mais votada para a Câmara dos Deputados no Rio Grande do Sul, com 482.540 votos. Também chegou a ser cotada para assumir o Ministério dos Esportes no governo de Dilma Rousseff, mas a pasta continuou sob o comando de seu correligionário Orlando Silva.