Mizael Bispo e Evandro aparecem como procurados em site da polícia

A Polícia Civil de São Paulo divulgou no site da corporação os retratos de Mizael Bispo de Souza e Evandro Bezerra Silva como procurados. Eles se tornaram réus pela Justiça de Guarulhos, interior de São Paulo na última terça-feira após serem acusados da morte da advogada Mércia Nakashima.

A Justiça determinou que ambos sejam levados a júri popular pelo crime, mas eles estão foragidos. A advogada foi encontrada morta em junho em uma represa em Nazaré Paulista. A decisão foi do juiz Leandro Jorge Bittencourt Cano.

Nos retratos, consta que Mizael é "acusado pela autoria de homicídio qualificado" e Evandro é "acusado juntamente com Mizael Bispo de Souza pela co-autoria de homicídio qualificado.

Segundo o juiz Leandro Bittencourt, "o novo decreto de prisão preventiva tem a missão importante de restabelecer a ordem pública, de devolver confiança nas instituições e na sociedade organizada, conforme os melhores valores, e afirmar a existência do império da lei".

No início de agosto, a Justiça de Guarulhos decretou a prisão de Mizael. O Tribunal de Justiça de São Paulo, entretanto, concedeu habeas-corpus ao advogado dois dias depois. Ele não chegou a ser detido. Preso desde julho, o vigia Evandro também teve o decreto de prisão revogado na mesma data. Em outubro, o TJ-SP julgou o mérito do benefício e confirmou a liminar que havia sido concedida pela relatora do processo, desembargadora Angélica de Almeida.

Na semana passada, o Ministério Público (MP) havia apresentado à Justiça um novo pedido de prisão preventiva do ex-namorado da advogada e do vigilante. Junto ao pedido, o promotor de Justiça Rodrigo Merli Antunes apresentou as razões para que a Justiça mande os dois acusados a júri popular.

Mizael foi denunciado por homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, emprego de meio cruel e mediante recurso que dificultou a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Evandro foi denunciado pelo MP por homicídio duplamente qualificado (emprego de meio insidioso ou cruel e mediante recurso que tornou impossível a defesa da vítima) e ocultação de cadáver. Ele foi denunciado como partícipe porque teria conhecimento das intenções homicidas de Mizael e teria aceitado colaborar com a prática do crime.

Entre os dias 18 de 21 de outubro, Mizael, Evandro e as testemunhas de acusação e defesa foram ouvidas pelo juiz. Os advogados dos réus entraram com pedido para a transferência do local de julgamento, de Guarulhos para Nazaré Paulista, onde o corpo foi encontrado, mas a solicitação foi negada pela Justiça.

O caso

A advogada Mércia Nakashima, 28 anos, desapareceu no dia 23 de maio e foi encontrada morta no dia 11 de junho em Nazaré Paulista, no interior de São Paulo. Ela teria sido assassinada pelo ex-namorado e policial aposentado, Mizael Bispo de Souza, que não aceitaria o fim do relacionamento. Rastreamento de chamadas telefônicas feito pela polícia com autorização da Justiça colocariam os dois na cena do crime, de acordo com as investigações. Eles negam as acusações.