Dilma: minha vantagem é ter uma herança bendita

Presidente eleita fala na reunião do diretório do PT

BRASÍLIA - A presidente eleita, Dilma Rousseff, participa da reunião do diretório nacional do PT, em Brasília. Comovida, Dilma falou sobre a grande solidariedade recebida por militantes do PT em diversos locais do país. Ela chorou e teve que parar de falar para beber água. ''Partido, partido, é dos Trabalhadores'', cantaram os participantes do encontro.

''Este partido teve um compromisso social que jamais abandonou e teve um compromisso com todas as lutas contra a opressão. Foi capaz de eleger um metalúrgico e eleger uma mulher. Isso coloca nas nossas costas um grande desafio. A minha vantagem é ter uma herança bendita", disse Dilma Rousseff.

''Temos uma responsabilidade histórica de transformar este país em uma das maiores democracias do Ocidente", acrescentou.

"É para este partido que eu apresento o meu reconhecimento, a minha gratidão e a certeza que eu dependo desse partido para bem governar o país. Dependo do esforço e da solidariedade de vocês, e da maturidade política para compreender os diversos desafios políticos", falou Dilma.

''Nós hoje somos um governo e um partido que tem o respeito internacional. Nós não acreditamos em métodos de violência e segregação, acreditamos na construção da paz", prosseguiu.

''Eu vou enfatizar muito o que nós construímos em alianças políticas. A nossa capacidade de conviver com a diferença e entender que é possível, tendo posicionamentos diferentes, construir um consenso político que vai transformar o nosso país, mostra a maturidade do PT", afirmou a presidente eleita.

Dilma Rousseff não falou sobre os planos de governo e disse estar presente no diretório nacional do PT para agradecer a todas as pessoas que prestaram apoio a ela durante a campanha presidencial. Dilma se referiu a Antônio Palocci como um dos "três porquinhos". Os outros dois são, segundo ela, José Eduardo Cardozo e José Eduardo Dutra.

 

>> Saiba quem são os 'três porquinhos' da presidente eleita

>> PT e PMDB estão 'condenados' a se entender, diz Dirceu