Policia Federal inicia ação contra tráfico internacional de pessoas em Minas Gerais

 

GOVERNADOR VALADARES (MG) - A Polícia Federal iniciou nesta quinta-feira (18) a 'Operação Joio', que tem como objetivo desarticular uma quadrilha especializada no tráfico internacional de pessoas. A ação ocorre em conjunto com a polícia americana.

De acordo com a PF, 170 policiais cumprirão 38 mandados de busca e apreensão e 12 mandados de prisão preventiva em Governador Valadares (MG) e em outras cinco cidades da região: Cuparaque, Conselheiro Pena, Ipatinga, Sobrália e Quatituba, além de um mandado de busca em Vitória (ES). Dos 12 presos, dez já tiveram passagem pela polícia pela prática do crime de falsificação de documento público.Nos Estados Unidos, serão cumpridos quatro mandados.

As investigações começaram em maio deste ano, quando a PF identificou um dos membros da quadrilha que mandava ilegalmente brasileiros para o exterior. Dos 12 criminosos, sete são conhecidos como “cônsules”  (pessoas que agenciam as viagens) e cinco são falsificadores de documentos públicos. Segundo a investigação, os criminosos chegavam a cobrar US$ 15 mil de cada um dos imigrantes para viabilizar a viagem.

Os presos estão sendo conduzidos para a Delegacia de Polícia Federal em Governador Valadares (MG) onde serão interrogados.

Todos serão indiciados por formação de quadrilha, com pena de reclusão de 1 a 3 anos, e de falsificação de documento público, com pena de 2 a 6 anos, além do pagamento de multa. Os indiciados que foram presos em flagrante poderão ser condenados a até 30 anos de reclusão. Depois de prestarem depoimento, os presos serão encaminhados à Cadeia Pública de Governador Valadares (MG) onde permanecerão sob custódia e à disposição da Justiça Federal.

Policiais norte-americanos acompanham a operação no Brasil. “Esta é uma demonstração do nosso compromisso com nossos parceiros da justiça brasileira”, afirmou Phil Gunn, do Departamento de segurança Interna dos EUA no Brasil.

Cronologia do caso

No dia 28 de julho de 2010 a Polícia Federal prendeu, no município de Serra, no Espírito Santo, J. C., 40 anos, líder de uma quadrilha internacional que levava brasileiros para os Estados Unidos ilegalmente. Quando chegava ao destino, o bando ainda sequestrava as vítimas para exigir resgate de suas famílias. Antes de ser preso, o chefe do bandomorava na Guatemala e no México, de onde gerenciava suas operações.

Os brasileiros, principalmente da região de Governador Valadares, chegavam a pagar a ele entre R$ 10 mil e R$ 15 mil reais para ingressar ilegalmente nos Estados Unidos. A viagem partia do Brasil para a Guatemala. De lá, coiotes guiavam os clientes na travessia do México até cruzarem a fronteira com os Estados Unidos.

Mas a jornada não acabava aí. Muitas vezes outras pessoas, também a serviço de J. C., sequestravam os brasileiros no Texas, enquanto o líder exigia de suas famílias novos pagamentos, estes de até 10 mil dólares. Para forçar os familiares a pagarem os valores, os coiotes ameaçavam e torturavam suas vítimas.

 J. C. permanece no Presídio Nélson Hungria e responde a processo pela prática de diversos crimes, dentre os quais o de extorsão mediante sequestro.

No dia 2 de setembro de 2010, um homem de 32 anos foi preso em Governador Valadares pela prática dos crimes de receptação e falsificação de documento público. A prisão foi feita por policiais militares que receberam denúncia anônima de que na residência do preso estaria ocorrendo falsificação de documentos públicos. Ao chegar ao local, policiais encontraram um computador ligado com um programa de manipulação de imagens e fotos em formato próprio para documentos, além de duas impressoras. Um passaporte sem a foto do titular também, foi encontrado.

Na casa, havia, ainda, contas de luz em branco, procurações em língua estrangeira, históricos escolares em branco, diversas identidades (duas com dados diferentes, mas foto da mesma pessoa), diversas cópias de carteira de habilitação, títulos de eleitor, uma prensa, uma lâmpada de luz negra e papéis em branco com filigranas.

O detido estava em liberdade provisória mas continuou sendo investigado pela Polícia Federal.

Ele foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Federal em Governador Valadares, onde foi autuado em flagrante por  crimes de receptação, com pena de 2 a 8 anos de reclusão e por falsificação de documento público, que tem pena de 2 a 6 anos de prisão, além do pagamento de multa. 

No dia 16 de setembro de 2010, a Polícia Federal efetuou a prisão em flagrante de dois homens (de 39 anos e 45 anos) em Governador Valadares por falsificação de documento público e receptação.

A PF descobriu que haveria a entrega de um passaporte falso nas proximidades de um supermercado da cidade. Ao chegar ao local, os agentes federais viram quando um indivíduo entregou um envelope para outro e ao abrí-lo, retirou um passaporte. Os agentes aboradaram os dois homens e encontraram um passaporte aparentemente falso. O responsável pela entrega do passaporte autorizou a realização de buscas em sua residência, onde foram encontrados diversos materiais aptos à falsificação de documentos.

Os presos foram levados para a Delegacia de Polícia Federal em Governador Valadares onde foram autuados em flagrante por falsificação de documento público (2 a 6 anos de prisão) e receptação (2 a 8 anos de reclusão).

O falsificador permanece preso na Cadeia Pública de Governador Valadares. O titular do passaporte também foi denunciado,por vender o documento para ser falsificado.

No dia 20 de setembro de 2010, a Polícia Federal efetuou a prisão em flagrante de outro homem, de 56 anos, pelos mesmos crimes. A PF obteve a informação de que haveria a negociação de documentos falsificados nas proximidades do bairro Santa Terezinha.

No local, os agentes federais viram o ocupante de um veículo em atitude suspeita, e abordadaram o veículo, onde  foi encontrado um envelope contendo duas folhas de passaportes e outras duas folhas com dados de pessoas. Na residência do preso foram encontrados diversos documentos como passaportes do Brasil, dos EUA e de Portugal, bem como vistos de vários países, carteiras de identidade tanto do Brasil como de Portugal e outros materiais de falsificações. O indivíduo já havia sido preso outras vezes por crimes de falsificação documental. Ele foi levado para a Cadeia Pública de Governador Valadares onde aguarda o julgamento.

 

 

Com informações do Portal Terra

Atualizado às 11h20