Lider do governo defende salários do STF para deputados

 

O líder do governo na Câmara dos Deputados, Cândido Vaccarezza (PT-SP), reafirmou nesta quinta-feira ser favorável para que os salários dos congressistas sejam equiparados ao teto do funcionalismo. Os salários dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), de R$ 26,7 mil, servem de referência para o teto. Um projeto enviado ao Congresso prevê a elevação do valor para R$ 30,6 mil. Atualmente, o salário dos parlamentares é de R$ 16,5 mil.

Vaccarezza destacou a importância de se desvincular o reajuste a deputados estaduais, para evitar um "efeito cascata", assim como de juízes estaduais e federais. "A Câmara é a única que não gasta na integridade seu orçamento", disse.

A defesa foi feita com uma ressalva, de que a opinião era externada na condição de deputado e não de líder governista. "Esse é um tema do Legislativo, que não cabe ao governo federal. Eu, como líder do governo, não posso opinar".

Mais cedo, o vice-presidente da Câmara, deputado Marco Maia (PT-RS), disse que o assunto está na pauta da Casa e pode ser votado ainda este ano. "O salário está na pauta da Câmara. Há a intenção dos líderes partidários de pautar esse tema até o final do ano e resolver essa questão".

Maia disse que ainda não há uma proposta concreta sobre o tema. Sua sugestão é criar um grupo de parlamentares para debater as alternativas. Ele defende também que o aumento que venha a ser aprovado não mexa na peça orçamentária.