Deputado teme protesto de policiais se PEC do reajuste salarial não for aprovada

O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), o Paulinho da Força, manifestou hoje (16) preocupação com a possibilidade de a não aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 300, que trata do piso salarial de bombeiros e policiais de todo o país, gerar protestos das duas categorias no início do próximo governo. 

Ao participar, no Palácio do Planalto, de reunião de líderes dos partidos da base aliada, Paulinho disse que é preciso encontrar uma solução para a PEC 300. Antes dele, o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), tinha defendido que não fossem aprovados projetos que resultassem em aumento de gastos para o próximo ano. Segundo Vaccarezza, o ideal é deixar que essa questão seja resolvida por meio de diálogo entre a presidenta eleita e os novos governadores, “e não aprová-la de saída”, correndo o risco de criar um problema para o Natal.

O ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, lembrou que o impacto do piso salarial para os policiais será de R$ 46 bilhões por ano – dos quais a União arcaria com R$ 20 bilhões e os estados com o resto. 

Paulo Bernardo disse também que é contra o reajuste dos servidores do Poder Judiciário. De acordo com o ministro, o salário de grande parte deles já está acima do teto do salário dos ministros do Supremo Tribunal Federal. 

As conversas entre os parlamentares e os ministros vazaram para a imprensa porque o áudio da reunião foi transmitido no comitê de imprensa do Palácio do Planalto sem que os participantes soubessem.