PT quer acordo com base aliada para definir futuro do Senado

 

A bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) na Câmara dos Deputados se reuniu nesta quarta-feira por mais de três horas para afinar o discurso em relação à presidência da Casa no ano que vem. A intenção da sigla é construir um acordo com os partidos da base aliada, inclusive o PMDB, para chegar a um nome de consenso na Câmara e Senado.

"Eu propus que, se fizesse o acordo, incluísse o Senado. Esse é um tema que continua na mesa de negociação. O ideal é que se construa cenário em que temos apenas um candidato a presidente e você compõe a Mesa Diretora de acordo com a proporcionalidade", disse o presidente José Eduardo Dutra, após o término da reunião, adiantando que o PT quer evitar uma disputa, tanto na Câmara como no Senado.

De acordo com o líder do partido, deputado Fernando Ferro (PE), apenas o líder do governo, Cândido Vaccarezza (SP), e o vice-presidente da Câmara, Marco Maia (RS), manifestaram o desejo de concorrer como candidatos à presidência da Casa.

Dutra revelou que foi designado por Dilma Rousseff para ouvir as demandas de todas as siglas da coligação que a elegeu, mas que a decisão final sobre cargos no Executivo caberá a ela. Ele negou que a disputa pelo comando no Congresso influencie na composição do governo da nova presidente.

"Eu fui mandatado para ouvir todos os partidos da coligação a respeito de sugestões e propostas para levar à presidente Dilma. Quem vai definir vai ser ele¿, afirmou Eduardo Dutra. O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, presente no encontro, também disse que acredita na construção de acordo para eleição dos presidentes no Congresso.