Dutra conversa com bancada do PT e defende rodízio nas presidências da Câmara e do Senado

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, defendeu hoje, após reunião com a bancada do partido na Câmara, o rodízio das presidências das duas casas legislativas (Câmara e Senado) entre o PT e o PMDB. Ele disse que na conversa que teve com o presidente do PMDB, deputado Michel Temer (SP), sobre o protocolo de rodízio entre as duas legendas, propôs a inclusão também da presidência do Senado. “Esse é um processo que está na mesa de negociação”, afirmou.

Segundo Dutra, uma das tarefas é evitar a disputa de parlamentares da base aliada para as presidências da Câmara e do Senado. “Nós, da base [aliada], temos a tarefa de evitar a disputa dentro da própria base. Queremos chegar com candidato único para a eleição”.

O presidente do PT lembrou que foi incumbido de ouvir todos os partidos da coligação que apoiou Dilma Rousseff, e mais o PP que deu apoio informal, a respeito das demandas e propostas dessas legendas, “para sem qualquer juízo de valor levar para a presidenta eleita Dilma Rousseff". Ele também disse que "não há neste momento nenhuma definição sobre cargos no futuro governo”.

Dutra disse que falou ainda com os deputados do PT sobre o seu papel de ouvidor dos partidos, do processo eleitoral e também das prioridades de votação na Câmara neste fim de ano. Segundo ele, além do Orçamento para 2011, o governo quer aprovar o projeto do pré-sal e as medidas provisórias que estão na pauta de votações.

O líder do partido, deputado Fernando Ferro (PE), afirmou que até agora se apresentaram como postulantes à presidência da Câmara os petistas Cândido Vaccarezza (SP), líder do governo, e Marco Maia (RS), atual 1º vice-presidente da Câmara. Ele disse que quanto antes for tomada uma decisão sobre o candidato será melhor para a disputa.

Além da grande maioria dos deputados do partido, participou também da reunião o ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha. Segundo Dutra, o ministro falou para a bancada sobre as prioridades de votações do governo neste fim de ano e pediu empenho nas votações.