Coordenador de Dilma diz: 'Não se constrói uma reputação em três meses'

 

O coordenador de internet da campanha de Dilma Rousseff (PT), Marcelo Branco, afirmou que optou por não centrar na imagem de Dilma no Twitter e na TV porque não é possível construir uma reputação em três meses. Segundo ele, a internet não é um meio de comunicação de massa, mas um espaço de expressão individual. Ele disse que a internet foi o terceiro bloco formador de opinião desta campanha, se juntando aos partidos políticos e seus candidatos, além da mídia tradicional.

"Esse terceiro bloco se expressou de forma multimídia por meio das redes sociais. Os eleitores deram um caminho para a campanha, bem diferente da visão da coordenação dessas mesmas campanhas".

Segundo Branco, o resultado que a internet proporciona é imprevisível. "Essa história de ir para casa em um fim de semana e fazer um viral não existe. As coisas chegam na rede e tomam proporções muito além daquilo que se possa imaginar", disse.

Segundo ele, a campanha de Dilma se saiu melhor na blogosfera, entre os inúmeros blogs que apoiaram a candidata, e teve um resultado inferior no Facebook. "Tivemos um volume de comentários nas redes sociais sempre superior à soma das campanhas de Marina e Serra. Os temas religiosos não apareceram de forma relevante nelas", afirmou, afirmou.

De acordo com Branco, a campanha foi bastante despolitizada. "Eu, que nunca tinha trabalhado em uma campanha antes, achei que elas fossem mais politizadas. Mas não foi o que se viu", disse.

MediaOn

O MediaOn, encontro realizado anualmente pelo Terra e Itaú Cultural, é um dos principais fóruns de debates sobre jornalismo digital e novas mídias. O evento, que tem apoio das redes de televisão CNN e BBC, tem transmissão ao vivo e é realizado entre os dias 9 e 11 de novembro.

Os debates contam com a presença de representantes de veículos brasileiros, da América Latina, Europa e Estados Unidos. O tema do evento deste ano é "Os novos caminhos do jornalismo: o que a audiência quer consumir e como?".