Lula discutirá aumento do salário mínimo com Dilma, afirma ministro

O ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, que tem defendido junto a parlamentares a manutenção da atual política de valorização permanente do salário mínimo, disse, nesta terça-feira, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva quer discutir com a presidente eleita Dilma Rousseff (PT) um eventual aumento do valor do mínimo, hoje na casa de R$ 510 e cujo patamar previsto no Orçamento Geral da União é de R$ 538,15.

A atual política de reajuste do benefício leva em conta a variação da inflação no período de um ano acrescido do valor final do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes, mas as centrais sindicais pressionam para que o salário mínimo possa ser reajustado para um patamar mais alto. Durante a campanha presidencial, o candidato derrotado José Serra (PSDB) chegou a propor um valor de R$ 600 para o mínimo.

"As centrais sindicais fizeram uma defesa da política ao longo desses quatro anos e sinalizaram que querem que essa política continue nos próximos. Vamos tomar uma decisão em conjunto inclusive com a equipe de transição. É uma decisão que o presidente Lula quer tomar juntamente com Dilma, vai ouvir inclusive as centrais e acredito que vamos fechar um bom valor. Acredito que vamos chegar em um bom valor que vai cumprir a nossa preocupação de recuperação do poder de compra do salário mínimo, de manutenção dessa política de valorização permanente (...) e que também cumpra a responsabilidade fiscal", disse o coordenador político do governo.

"Ao longo desses oito anos o Congresso Nacional nos ajudou a ter uma gestão orçamentária responsável, a garantir responsabilidade fiscal e a só gastar aquilo que tem capacidade de arrecadar. Temos uma política permanente do salário mínimo", defendeu Padilha.