Unesp: punição por 'rodeio de gordas' não pode ser ato sumário

A Reitoria da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) divulgou nota na tarde desta quinta-feira na qual reafirmou o repúdio ao envolvimento de alunos da instituição nas agressões durante a competição conhecida como 'rodeio de gordas'. Apesar disso, segundo a Unesp, existe a obrigação legal de que seja instaurado processo disciplinar para dar direito à defesa dos acusados. "A universidade não pode proceder por meio de atos sumários contra docentes, servidores técnico-administrativos e alunos", diz a nota.

O 'rodeio de gordas', promovido por alunos do Campus de Assis (SP) da Unesp, ocorreu entre os dias 10 e 13, durante os jogos universitários, em Araraquara (SP). As agressões - consideradas uma "brincadeira" pelos organizadores - consistia em agarrar mulheres, de preferência obesas, e tentar simular um rodeio, ficando o maior tempo possível sobre a colega.

Segundo Roberto Negrini, responsável por uma comunidade no Orkut sobre o tema, mais de 50 rapazes de diversos campi da Unesp participavam. O estudante afirma que, primeiro, o jovem se aproximava da menina, como se estivesse paquerando-a. Em seguida, começava a agressão.

Na nota divulgada nesta quinta-feira, a reitoria da universidade critica "manifestações isoladas, porém de ampla repercussão", pedindo punições imediatas aos envolvidos. Segundo a Unesp, as manifestações "ultrapassaram o plano do desconhecimento das normas legais e passaram para o nível da ofensa à direção da faculdade, não só tumultuando o andamento das providências necessárias, mas também prejudicando ainda mais a imagem da universidade".

De acordo com a reitoria, "serão tomadas as medidas necessárias", em conformidade com a lei e o estatuto da instituição. A nota também pediu prudência às manifestações referentes ao episódio. "O caso em questão exige não só legalidade e firmeza da administração nas ações a serem tomadas, mas também equilíbrio nas manifestações por parte de todos que integram a universidade", diz o texto.