Força Nacional vai acelerar apuração de inquéritos parados em Alagoas

A Força Nacional de Segurança Pública vai atuar em Alagoas a partir de novembro para acelerar a apuração de aproximadamente 4 mil inquéritos parados no Estado. Segundo o secretário nacional de Segurança Pública, Ricardo Balestreri, essa é a primeira iniciativa do tipo em todo País.

"Fizemos a parceria com Alagoas para resolvermos os quase 4 mil processos que estão parados e que impedem o policial civil de cumprir sua principal função, que é investigar. Vamos somar com a polícia de Alagoas e não substituí-la", disse, nesta quarta-feira, durante a abertura do curso de nivelamento para peritos criminais que atuarão na Força Nacional.

O secretário comemorou o fechamento do ciclo na composição da Força Nacional, que já era composta por policiais militares, civis e bombeiros e agora conta também com peritos criminais. "A Força Nacional está a serviço dos Estados. Temos que acelerar o número de processos parados no Brasil", afirmou.

Segundo Balestreri, pesquisas do Ministério da Justiça apontam que em média o esclarecimento de homicídio é baixo. "Cerca de 70% dos crimes não são solucionados", disse.

A missão em Alagoas começa no dia 3 de novembro, segundo o secretário, e vai contar com 40 policiais civis que vão atuar nas delegacias para acelerar o esclarecimento dos processos. Dos 4 mil inquéritos que aguardam apuração em Alagoas, 1,5 mil se referem à área de balística, processo que comprova de qual arma veio o tiro.

O secretário afirmou ainda que a incorporação da perícia na Força Nacional representa um avanço para a segurança pública no País. Segundo ele, o Brasil já possui agentes treinados para ter uma atuação científica moderna como a das melhores polícias do mundo.

"O conhecimento científico reduz a criminalidade. No Brasil, durante muito tempo agiu-se através da truculência e apenas do conhecimento empírico e o resultado foi desastroso. Temos que deixar de ser terceiro mundo e valorizar o conhecimento científico na segurança pública. A perícia representa esse conhecimento, esse avanço", afirmou o secretário.

O curso de nivelamento para peritos criminais que atuarão na Força Nacional de Segurança Pública em apoio aos Estados começou nesta quarta-feira e termina no dia 29. No total, 27 peritos participam das atividades com o intuito de aprimorar os conhecimentos em balística.