Polícia prende integrantes de "tribunal do crime" em São Paulo

 

    SÃO PAULO - A Polícia Civil de São Paulo, por meio de agentes da Delegacia de Repressão a Roubo a Condomínios do Deic (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado), desenvolveu uma intensa apuração sobre o funcionamento dos "tribunais do crime". Os trabalhos permitiram o resgate de cinco corpos, enterrados em covas rasas em Cidade Tiradentes, Zona Leste da cidade. A equipe prendeu quatro envolvidos e identificou o principal carrasco. Outros quatro homens participaram das execuções.

As investigações começaram há 90 dias. Uma apuração de roubo a condomínio teve desdobramento para tráfico de drogas e acabou revelando o esquema desenvolvido por uma facção criminosa para fazer justiça com as próprias mãos. "Todas as mortes eram decretadas depois de debates entre integrantes da facção que estão tanto fora quanto dentro de cadeias", explicou o delegado Antônio Carlos Heib, titular da DRRCondomínios.

O funcionamento do "tribunal" consiste em prender desafetos para executá-los. Durante o período do debate, quando a pessoa é acusada e tenta fazer a própria defesa, um integrante do grupo prepara a cova. As mortes acontecem no local onde o corpo será enterrado. Para não chamar atenção, mas bem mais cruel, os assassinatos são realizados com picareta e enforcamento utilizando fios de varal.

A equipe identificou um dos líderes do "tribunal". É o funileiro Gilmar Magalhães Lima, o Má, de 28 anos. Ele está foragido. O outro chefe é Marcel Andrade de Oliveira, o Barata. Também foram detidos Adriano Andrade do Nascimento, Lincoln Luiz da Silva e Alan Flávio Santos. O grupo foi detido entre final de setembro e o início deste mês em diversos bairros da Zona Leste. As investigações só puderam ser divulgadas agora.

O Instituto Médico Legal ainda tenta identificar as vítimas. Para o delegado Heib, as investigações permitiram identificar os autores e os procedimentos adotados, mas também descobrir alguns códigos usados nos "tribunais". Principalmente em relação as outras facções.