STF pede investigação sobre suposta negociação na Ficha Limpa

O presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Cezar Peluso, encaminhou ofício ao procurador-geral da República, Roberto Gurgel, solicitando a apuração da suposta negociação entre o ex-candidato ao governo do Distrito Federal Joaquim Roriz (PSC) e o advogado Adriano Borges Silva, que é genro do ministro da Corte Carlos Ayres Britto. A solicitação de "imediatas providências para rigorosa apuração dos fatos" foi encaminhada à PGR atendendo a um requerimento do ministro Ayres Britto, segundo breve nota divulgada nesta sexta-feira (1) pelo STF.

Se a negociação entre o ex-candidato e Borges tivesse prosperado, o ministro ficaria impedido de participar do julgamento do recurso de Roriz contra decisão da Justiça Eleitoral que negou sua candidatura, com base na Lei da Ficha Limpa. Ayres Brito foi um dos que votou a favor da aplicação da lei. O placar do julgamento ficou empatado por 5 a 5, levando Roriz a abandonar a disputa pelo governo distrital. O STF decidiu, então, arquivar o recurso.

O advogado Eri Varela, da coligação do ex-candidato, deve entrar nesta tarde com uma notícia criminal no Supremo sob a acusação de Borges teria tentado vender o impedimento de Ayres Brito tendo a autorização do ministro.

Por meio de sua assessoria, o genro do ministro negou a acusação. Disse ter sido procurado por Roriz - e não o contrário. Acrescentou que estava disposto a defender o então candidato no processo, não apenas "vender" sua assinatura no recurso e, com isso, impedir o ministro de votar.