Sindicalista morre baleado em frente à fábrica em Manaus

Um sindicalista morreu com um tiro no peito em frente à fábrica da Sony, na zona franca de Manaus (AM), nesta sexta-feira, após discutir com o segurança de uma privada que presta serviços à fábrica. Após o tiro, o suspeito fugiu, informou a Secretaria de Segurança do Amazonas.

Segundo a secretaria, os integrantes do sindicato estavam distribuindo panfletos de um candidato ligado à entidade, quando houve a discussão com o segurança, que sacou o revolver e deu o tiro. O sindicalista morreu na hora. A polícia ainda não tem pistas sobre o paradeiro do segurança e realiza buscas.

A empresa divulgou nota na qual afirma que o incidente está sendo "apurado e que a empresa está colaborando com a investigação policial. A Sony ressalta ainda que exigirá esclarecimentos da empresa terceirizada responsável pela segurança da fábrica de Manaus".

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) divulgou nota lamentando a morte do diretor de base do Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas, Augusto Lima Cruz, 48 anos, e pedidno a punição dos responsáveis. Segundo a entidade os trabalhadores chegaram à porta da empresa para distribuir alguns panfletos e foram recebidos por seguranças armados.