Justiça ouvirá testemunhas americanas sobre queda do voo 1907 da Gol

Acidente matou 154 pessoas em 2006

        CUIABÁ - O juiz federal Murilo Mendes, da Vara de Sinop (MT), convocou sete testemunhas de defesa dos dois americanos que pilotavam o jato Legacy que bateu no voo 1907 da Gol, em 2006. Todas as 154 pessoas a bordo do Boeing 737 morreram no acidente. Joseph Lepore e Jan Paladino são acusados de "atentado contra a segurança do transporte aéreo". Segundo o advogado dos pilotos, Theo Dias, duas das sete testemunhas - todas americanas - estavam na aeronave. "As demais são pessoas capazes de dar referências profissionais", disse. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O Boeing da Gol ia de Manaus (AM) para o Rio de Janeiro no dia 29 de setembro de 2006. Durante a rota, ainda na região Norte, ele bateu no Legacy da empresa de táxi aéreo americana ExcelAire. Os destroços do voo 1907 caíram em uma mata a 200 km de Peixoto de Azevedo (MT). As testemunhas de defesa haviam sido excluídas do processo em agosto, pelo juiz substituto em exercício Fabio Henrique Rodrigues de Moraes Fiorenza. Para o advogado das famílias das vítimas do acidente, Dante D'Aquino, os depoimentos irão atrasar e podem conduzir o processo para a prescrição.