Jovem brasileira presa em Abu Dhabi fará teste psicológico

 

      SÃO PAULO - A adolescente brasileira condenada à prisão em abril, nos Emirados Árabes Unidos, por supostamente ter mantido relações sexuais consentidas, será submetida a exames psicológicos antes que o recurso apresentado por seus advogados seja julgado. A decisão foi tomada na quarta-feira pelo juiz de uma corte de apelação de Abu Dhabi, onde a menina de 14 anos vive com a mãe brasileira e o padrasto alemão. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

O objetivo é determinar se a adolescente tem maturidade para assumir a responsabilidade por seus atos. A próxima audiência foi marcada para o dia 18 de outubro. A menina foi condenada em abril à pena de seis meses de prisão, seguida de deportação, por supostamente ter tido relações sexuais com um paquistanês de 28 anos, que trabalhava como motorista de ônibus em sua escola.

De acordo com a legislação do país árabe, fazer sexo fora do casamento é crime. A jovem pagou fiança e foi libertada. O motorista está preso. Mazen Tajedinne, do Departamento de Justiça dos Emirados Árabes, admitiu que houve erros no tribunal de primeira instância, que condenou a menina por sexo consentido. Ontem, tanto a jovem quanto o paquistanês negaram ter tido relações sexuais, mudando a versão inicial apresentada pela brasileira, de que teria sido estuprada.