Adiado depoimento de padrasto que enfiou agulhas em criança na Bahia

Foi suspenso o depoimento de Roberto Carlos Magalhães, acusado de enfiar 31 agulhas no corpo do menino Márcio Santos, três anos, na cidade de Ibotirama (BA). O adiamento aconteceu depois que o Ministério Público solicitou uma nova acareação entre a mãe do garoto, Maria dos Santos, e a irmã de Roberto Carlos, Alexandra Magalhães, marcada para o dia 14 de outubro.
Na terceira audiência de instrução, realizada na quinta-feira, nove testemunhas prestaram depoimentos ao juiz substituto da Vara Crime de Ibotirama, Ocley Alves da Silva, na tentativa de comprovar quem teria introduzido as agulhas na criança.
Quando foi preso, Roberto Carlos acusou a mãe-de-santo Maria dos Anjos e a pescadora Angelina Capistana Ribeiro como cúmplices. Ambas foram presas, apesar de negarem o envolvimento no ato, mas tiveram as prisões revogadas por falta de provas e respondem em liberdade.
O crime foi descoberto em dezembro de 2009, depois que os familiares levaram a criança ao hospital da cidade. O menino chorava muito e sentia dores. Exames de raio-X indicaram que objetos metálicos estavam no corpo do garoto. O garoto ficou internado no Hospital do Oeste, em Barreiras, e no Hospital Ana Nery, em Salvador, onde passou por três cirurgias para a retirada de 27 agulhas. Ele teve alta em janeiro deste ano e passa bem.