IBGE: desigualdade entre ricos e pobres segue em queda

RIO - A desigualdade no país está em queda, segundo a síntese dos indicadores sociais divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira. A razão entre a renda familiar per capita dos 20% mais ricos em relação aos 20% mais pobres passou de 24,3 vezes em 2001 para 17,8 vezes em 2009. O aumento do consumo das famílias também é perceptível na pesquisa. Em 2004, apenas 12% dos domicílios tinham simultaneamente energia elétrica, telefone fixo, internet, computador, geladeira, TV em cores e máquina de lavar. Em 2009, esse percentual passou para 21,1%, aumento de 8,1 pontos percentuais. O aumento de "outras fontes" na renda do trabalhador brasileiro indica que os programas assistenciais têm tido grande peso para famílias em detrimento dos rendimentos de trabalho e aposentadoria e pensões. Para as famílias com rendimento familiar per capita de até 1/4 de salário mínimo, por exemplo, os rendimentos as "outras fontes" representavam 28,0% do total do rendimento familiar em 2009, contra 4,4% em 1999. O nível do rendimento familiar ainda é uma fonte de desigualdade importante, sobretudo nos ciclos de ensino não obrigatórios. Para o grupo de 18 a 24 anos (31,3% em média), a diferença de escolaridade entre os mais ricos e os mais pobres em 2009 era de 26 pontos percentuais.