Legislação eleitoral dificulta fim da greve no Ministério do Trabalho

Vladimir Platonow, Agência Brasil

RIO DE JANEIRO - A greve dos funcionários do Ministério do Trabalho, que completa quatro meses, tem a solução dificultada por causa da legislação eleitoral, que veda aumentos a servidores nos meses que antecedem às eleições. A avaliação é do ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que mesmo assim mantém a esperança de um desfecho favorável, ainda este ano, por meio do diálogo .

Lupi explicou que, para dar entrada na confecção da Carteira de Trabalho ou nos pedidos de seguro-desemprego, os trabalhadores devem procurar outras unidades, municipais e estaduais, como as agências do Sistema Nacional de Emprego (Sine). Não é só no Ministério do Trabalho. Nós temos centenas de agências, em todo o Brasil, onde se pode tirar a carteira e dar entrada no seguro-desemprego. O Ministério do Trabalhado está funcionando, só que com um percentual menor de funcionários menor , disse.

Lupi participou hoje (27) da entrega de certificados a mais de mil jovens que realizaram cursos de qualificação profissional, do Projeto Juventude Cidadã, com investimentos federais.

Na página do ministério na internet (www.mte.gov.br), no link Locais de Atendimento, a pessoa pode ter acesso aos endereços, em cada estado, onde é possível dar entrada no seguro-desemprego e na Carteira de Trabalho. O trabalhador também pode ligar para a Ouvidoria do Ministério do Trabalho, pelos telefones 0800 61 01 01 - regiões Sul e Centro-Oeste, Acre, Rondônia e Tocantins - e 0800 285 01 01, para as demais localidades.