ES: paciente obrigada a trocar de roupa em recepção de hospital

Alex Cavalcanti, Portal Terra

VITÓRIA - Uma dona de casa que buscava atendimento em um pronto-socorro do município de Serra, na região metropolitana de Vitória, foi obrigada a trocar de roupa na recepção da unidade, diante de dezenas de pessoas. A confusão aconteceu nesta terça-feira, no Pronto Atendimento de Serra Sede e foi motivada porque, na avaliação de uma das atendentes, o short que a paciente vestia era curto demais.

Para a dona de casa, que prefere não ser identificada, a humilhação a que foi submetida na unidade é inaceitável. "Ela disse que era norma e que eu não podia ficar ali com o short curto. Mesmo com dor, me obrigou a trocar de roupa na recepção lotada, se quisesse ser atendida". O marido da dona de casa, que acompanhou tudo, contou que a esposa precisou da ajuda da mãe e que foi tratada com indiferença pela atendente. "Foi muita humilhação. Ela chorava de dor e a funcionária não estava nem aí. Nem um lugar decente para ela trocar de roupa eles providenciaram", reclama o marido.

Na unidade, existe um aviso com informações sobre uma norma que estabelece critérios de vestuário para a permanência na unidade. Mas os usuários reclamam do regulamento, da falta de estrutura e, principalmente, da postura dos funcionários. A dona de casa Marília Terra, que também aguardava por atendimento na unidade, achou um absurdo o constrangimento a que a outra paciente foi submetida. "Eles não podem fazer isso. É um absurdo. Como podem tratar alguém assim? Ela estava doente, chorando de dor", afirma a dona de casa.

Em nota, a Secretaria de Saúde da Serra informou que a norma era uma "medida interna", equivocada, adotada pela unidade, e que, ao saber do caso, a secretaria "mandou que a norma fosse imediatamente revista". A prefeitura entende que a unidade "é para atendimento de urgência e emergência e, por isso, não cabe uma regra sobre os trajes do paciente."