Viúvas de mortos no Haiti querem seguro de vida em dobro

Portal Terra

BRASÍLIA - Viúvas dos militares brasileiros mortos no terremoto do Haiti, em janeiro, exigem pagamento em dobro do seguro de vida, pois os maridos estavam a serviço. A Poupex, responsável pelas apólices, diz que há "um equívoco de interpretação". A entidade, gerenciada pela Fundação Habitacional do Exército, quer pagar entre R$ 100 mil e R$ 250 mil.

Em nota, a entidade disse que o fato de os militares terem falecido no cumprimento de uma missão humanitária do Exército brasileiro não altera o valor concedido, uma vez que a origem dos óbitos foi um terremoto. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

A apólice não prevê pagamento em caso de terremoto, segundo a Poupex, que alega que, mesmo assim, se propôs a pagar o seguro, mas, não em dobro, como querem familiares das vítimas. O Exército confirma as informações. Dezoito militares brasileiros morreram no terremoto do Haiti. Eles participavam de missão da ONU no país. O governo prometeu indenizar com R$ 500 mil cada família de militar morto, além de dar auxílio de R$ 510 mensais por filho em idade escolar. Até hoje, a promessa não foi cumprida. O Ministério da Defesa afirmou na segunda-feira que, no dia 5 passado, o governo pediu ao Congresso autorização para liberar R$ 10,1 milhões e pagar as indenizações.