PF prende 18 suspeitos por extração ilegal de diamantes em Rondônia

Portal Terra

S O PAULO - A Polícia Federal (PF) desencadeou na manhã desta quarta-feira uma ação para combater a extração e comercialização ilegal de diamantes na Reserva Indígena Roosevelt, em Rondônia. A Operação Adamas mobilizou 200 agentes e cumpriu 18 mandados de prisão e 45 de busca e apreensão.

A ação ocorreu simultaneamente nos municípios de Espigão D'Oeste, Cacoal, Monte Negro e Ariquemes, em Rondônia; Belo Horizonte, Teófilo Otoni, Patos de Minas, Coromandel e São Gonçalo do Abaeté, em Minas Gerais; Juína e Cuiabá, no Mato Grosso; Campo Grande, no Mato Grosso do Sul; Goiânia, em Goiás; Brasília e São Paulo.

A ação teve como origem duas investigações desenvolvidas pela Delegacia da PF em Vilhena (RO), iniciada em agosto de 2009, e pela Superintendência Regional da PF em Mato Grosso, iniciada em fevereiro de 2010. Foram investigadas duas quadrilhas especializadas na exploração ilegal de diamantes, com extensões em seis estados e no Distrito Federal.

Através das investigações, a PF descobriu que os criminosos agiam em dois ramos distintos: o primeiro junto ao garimpo, na atividade de extração propriamente dita, e o segundo grupo na negociação das pedras preciosas obtidas ilicitamente, encontrando compradores e intermediários interessados em adquirir os minérios e repassá-los.

No decorrer do monitoramento, foram realizadas sete apreensões de pedras preciosas. A apreensão mais recente se deu no aeroporto de Cuiabá (MT), quando um dos investigados transportava 24 pedras de quilates diversos. Uma das pedras encontradas, em março deste ano, tinha cerca de 1 cm de diâmetro e 28 quilates, sendo avaliada por peritos criminais em R$ 233 mil.

As ações da PF na Reserva Roosevelt, iniciadas em 2004, apreenderam, até agora, 3 mil quilates de diamantes. Em 2010, os agentes já recolheram 419 quilates de diamantes ilegais em Rondônia.