Palhaço é suspeito de matar companheira com 7 facadas em SP

Cícero Affonso, Portal Terra

REGENTE FEIJÓ - A Polícia Civil de Regente Feijó, a 556 km de São Paulo, prendeu nesta terça-feira o ex-radialista Luís de Barros, conhecido como Luís Henrique, Palhaço Pachola ou ainda Perebinha, suspeito de matar sua companheira, Arlinda Quintiliano, 52 anos, com sete golpes de faca. O crime teria acontecido na casa de uma vizinha da vítima, na Vila Assunção.

Nesta manhã, Barros encontrou a companheira na casa de uma amiga, onde ela teria se abrigado após uma briga. Ao ver o ex-radialista, conforme a polícia, ela tentou se esconder, mas o palhaço invadiu a residência e a golpeou, após ela ter dito que não queria mais viver com ele. Ela ainda teria se desvencilhado e tentado buscar ajuda, mas desmaiou do lado de fora do imóvel.

Ela chegou a ser socorrida por uma ambulância que a encaminhou para o Hospital e Maternidade Regional de Regente Feijó, onde ela chegou sem vida. O suspeito foi preso após uma força-tarefa com apoio da delegacia seccional de Presidente Prudente.

Testemunhas dizem que brigas eram constantes

Conforme declarações de testemunhas ouvidas pelo delegado Claudinei Alves, o casal estava junto havia 18 anos, mas as brigas entre os dois eram constantes. De acordo com pessoas que conheciam o casal, a mulher tinha medo de se separar devido às ameaças de morte por parte do companheiro. As testemunhas afirmaram que o ex-radialista era violento e a situação se agravava quando ele estava sob efeito de álcool ou de drogas, principalmente o crack.

Arlinda e Barros chegaram a ficar separados por cerca de três meses, período em que ela foi para São Paulo, mas reataram a relação e ela voltou a viver com o companheiro. Há cerca de 50 dias, entretanto, as brigas e as ameaças recomeçaram, segundo testemunhas. Com medo, ela teria procurado abrigo em casas de vizinhos.

José Roberto de Barros, irmão do suspeito, disse que o palhaço sempre teve problemas sérios com drogas. "A própria família tem medo dele, tanto que ele já tentou atear fogo na casa da família antes de ser preso por ter praticado um assalto e ir preso no antigo Carandiru, de onde fugiu. Depois ele veio para o interior, onde foi preso e cumpriu o resto da pena", disse.

"Já tentamos de tudo para ajudá-lo a se libertar. Mas não conseguimos e estamos com medo dele, pois ameaçou até nosso pai, que tem 87 anos, e disse que ainda vai acabar com toda a família. Se ele não ficar preso, vamos nos reunir e dormir fora de nossas casas para evitar que ele faça alguma coisa contra nós. Nos últimos dias, ele estava totalmente alterado. Na noite anterior, ele passou acordado andando pela cidade procurando pela Arlinda", disse.