Alckmin enfatiza educação mas não diz como falar com professor

Portal Terra

DA REDAÇ O - Em uma rápida caminhada por mais um local fechado da cidade - o Parque da Juventude, antiga penitenciária do Carandiru -, o candidato ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, visitou as áreas de lazer e a Biblioteca Virtual do parque e afirmou que a educação vai ser uma das prioridades em sua gestão. No entanto, perguntado sobre como pretende melhorar as relações tucanas com o sindicato dos professores, Alckmin disse que a solução seria um diálogo permanente. "O diálogo já existe, mas sempre é possível e necessário valorizar mais. Vamos melhorar a valorização salarial, estimular professores, oferecer capacitação continuada, com o aluno por mais tempo na escola", resumiu.

Questionado ainda sobre a crítica do senador e candidato ao governo de São Paulo pelo PT, Aloizio Mercadante, de que em um possível governo petista os professores não seriam tratados com borrachadas e cassetetes, Alckmin disse que não comentaria nem responderia nada ao adversário. "Eu não faço campanha baseado em adversário", enfatizou. Em seguida, o candidato completou dizendo que faz a campanha "baseado no interesse público, no interesse da população".

"Nossa prioridade é a saúde, a educação e a segurança. Eu destacaria esse parque como um exemplo de uma boa transformação do que era a maior casa de detenção da cidade de São Paulo em um espaço de lazer¿, explicou Alckmin.

A proposta do tucano para a educação é integrar o ensino médio ao técnico. "O ensino médio, no mundo todo, vive uma dificuldade, precisamos torná-lo mais atrativo e colocando o ensino técnico junto com o médio o aluno se estimula", afirmou. Alckmin disse ainda que a infraestrutura não será um fator limitante, já que "maioria dos alunos que estudavam a noite, hoje estudam de dia". "A ideia é aproveitar os espaços que já existem", disse.

Alckmin afirmou ainda que, caso seja eleito, o próximo passo seria transformar a antiga unidade da Febem, hoje desativada, no bairro do Belenzinho, zona leste de São Paulo, em uma parque de lazer e também com uma biblioteca em menores proporções. "Nas ETECs e FATECs, estamos chegando a 120 mil alunos e pretendemos atingir a meta de 200 mil e passar de 80 faculdades de tecnologia no Estado", prometeu.

Corpo a corpo

Acompanhado por candidatos à deputados estaduais e lideranças partidárias, Alckmin cumprimentou o público que se divertia pelas quadras e áreas de recreação. O tucano, que, na maioria dos casos, conversava sem se estender muito, foi surpreendido por uma mulher com deficiência renal crônica.

"Eu durmo ligada em uma máquina, não consigo emprego, estou há sete anos no auxílio-doença, perdi meu emprego (...). Não tem uma lei que apoie essas pessoas, porque eu sou uma deficiente física, os meus rins não funcionam", explicou Márcia Beatriz.

Alckmin aconselhou a mulher a procurar a Secretaria da Pessoa com Deficiência Física. "Lá tem a lei que estabelece que as empresas têm que ter um percentual de pessoas com deficiência, eles vão te ajudar", sugeriu. "Mas eu já fui lá, eles falam que a gente não é pessoa com deficiência, nenhuma empresa vai querer uma funcionária que vive indo no médico". Por fim, o candidato encerrou a conversa dizendo, "conte comigo viu, Márcia, vamos apoiar isso".

Debate

Questionado sobre como vem se preparando para o início dos debates eleitorais entre candidatos a governadores do Estado, Alckmin disse que "a preparação não é de véspera". "Venho me preparando como prefeito, deputado, vice e governador".

Para o debate, promovido pela TV Bandeirantes, Alckmin disse que pretende levar "temas que interessam a população, como educação, saúde, segurança, desenvolvimento, tudo aquilo que diz respeito à vida das pessoas".