RJ: Cabral atribui liderança a "trabalho de três anos e meio"

João Pequeno, Portal Terra

RIO - Durante encontro com políticos do PP neste sábado (24), em Irajá, o atual governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), atribuiu sua liderança na pesquisa divulgada pelo Datafolha a "um trabalho de três anos e meio". De acordo com o instituto, Cabral tem 53% das intenções de voto para o governo do Estado.

"Não sou analista de pesquisa. Claro que eu esperava que a população reconhecesse o nosso trabalho, mas estamos longe do ideal. Isso é um processo. É muito difícil construir e muito fácil destruir, vide o que ocorreu no Rio nos últimos 30 anos", declarou Cabral em evento que reuniu o ministro das Cidades, Márcio Fortes, e o senador Francisco Dornelles (PP-RJ), além dos candidatos ao Senado de sua chapa, Jorge Picciani (PMDB) e Lindberg Farias (PT).

Com 18% das intenções de voto, Fernando Gabeira (PV), que fez uma caminhada de 4 km em Petrópolis (Região Serrana), frisou que o atual governo já teve visibilidade máxima até agora e lembrou que começou com apenas 3% das intenções de voto em 2008, quando foi para o segundo turno nas eleições para prefeito do Rio.

Há dois anos, nesta mesma data, 24 de julho, Gabeira tinha 7%, em pesquisa também do Datafolha (RPE-018/2008 - TRE-RJ) para a Prefeitura, atrás de Paes, Marcelo Crivella (PRB) e Jandira Feghali (PC do B).

Saída de Garotinho

A diferença entre Cabral e Gabeira, que vinha oscilando nas pesquisas para o Governo do Estado em torno de 20 pontos percentuais, pulou para 35 pontos após a desistência do ex-governador Anthony Garotinho (PR), que decidiu se candidatar apenas a deputado federal.

Garotinho, que registrava cerca de 20% das intenções, não conseguiu tranferir votos para seu substituto, Fernando Peregrino, que teve apenas 1%, segundo o Datafolha, junto com Jefferson Moura, do PSOL.

Acima deles ainda aparecem Cyro Garcia (PSTU) e Eduardo Serra (PCB), ambos com 3%. Os indecisos são 12%, enquanto brancos e nulos somam 12%. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Contratada pela Rede Globo e pela Folha de São Paulo, a pesquisa foi registrada em 16 de julho no TRE-RJ (Tribunal Regional Eleitoral), sob o número 59653/2010. O levantamento foi feito entre os dias 20 e 23.