Eduardo Jorge pede na Justiça acesso à investigação

Laryssa Borges, Portal Terra

BRASÍLIA - A defesa do vice-presidente executivo do PSDB, Eduardo Jorge, protocolou nesta sexta-feira (23) na Justiça Federal, em Brasília, pedido para ter acesso à investigação que a corregedoria da Receita Federal conduz sobre a violação de seus dados fiscais. A suspeita do tucano é que houve um vazamento com fins políticos de depósitos de sua conta corrente e de informações sobre declarações de Imposto de Renda. De acordo com reportagem do jornal Folha de S. Paulo, as informações seriam usadas por um grupo de investigação ligado à Dilma Rousseff para elaborar um suposto dossiê.

O Fisco estaria investigando a servidora Antonia Aparecida Rodrigues dos Santos Neves Silva, cuja senha teria sido utilizada para acessar de forma imotivada as informações de Eduardo Jorge.

Na ultima semana, após depoimento do secretário da Receita, Otacílio Cartaxo no Senado, Eduardo Jorge acusou o órgão de "encobrir" o vazamento de seus dados fiscais. O dirigente tucano disse que a entidade age por conveniência e não dará explicações conclusivas sobre o caso a tempo de o eleitor poder avaliar o impacto do episódio nas eleições de outubro.

"(Integrantes da receita) Já sabem o nome e a motivação. Nenhum desses dados é sigilo fiscal. É no máximo sigilo administrativo, e sigilo administrativo é conveniência. A Receita está optando por não dizer. Respeito a Receita Federal, meu pai fez carreira na Receita Federal, mas meu sigilo já foi quebrado pelo menos duas vezes. Vou dar um voto de confiança (à Receita), mas não tenho esperança de que se chegue ao final e se identifique inclusive a tempo, a tempo de a população julgar se está sendo feito uso indevido da máquina pública", disse na ocasião Eduardo Jorge, que atribuiu a "certos setores do PT", e não ao governo Lula, a quebra de seu sigilo fiscal.

O candidato do PSDB à presidência, José Serra, por sua vez, disse acreditar no envolvimento do ex-prefeito de Belo Horizonte e candidato do PT ao Senado, Fernando Pimentel, no caso. Nesta sexta, o político mineiro anunciou que vai processar Serra pelas declarações.