DEM gaúcho reage à indicação de Dias como vice de Serra

Flavia Bemfica, Portal Terra

PORTO ALEGRE - O presidente do DEM no Rio Grande do Sul, deputado federal Onyx Lorenzoni, não poupou críticas à indicação do senador paranaense Alvaro Dias (PSDB) como vice do candidato tucano à presidência da República, José Serra, e disse que se o cenário se confirmar, "será o pior dos mundos".

Segundo Lorenzoni, "existe uma brutal insatisfação com a forma como vêm sendo conduzidas as alianças regionais e isso vai se expressar na convenção nacional do DEM, na próxima semana", afirmou o deputado após a convenção estadual dos democratas no Rio Grande do Sul, nesta sexta-feira (25), em Porto Alegre.

Lorenzoni lembrou do caso do Rio Grande do Sul, onde DEM e PTB esperaram por mais de um mês por uma resposta do PSDB nacional a uma proposta de acordo pelo qual pretendiam consolidar a candidatura de Lara, oferecendo a Serra um segundo palanque no Estado e uma estrutura significativa do PTB na região metropolitana de Porto Alegre, onde o PT detém várias prefeituras e também é muito forte.

Lorenzoni assinalou ainda que o DEM do Rio Grande do Sul, que havia decidido apoiar Serra, vai esperar pela confirmação oficial do nome de Dias e pelo resultado da convenção nacional dos democratas para decidir se revê sua posição. Questionado sobre se o DEM nacional pode vir a romper com o PSDB no caso de os tucanos insistirem em uma chapa puro-sangue, Lorenzoni respondeu: "não nos faltariam candidatos".

O dirigente gaúcho avaliou que Dias não acrescenta nada em relação ao Nordeste, onde a candidata petista à presidência, Dilma Rousseff, está na frente segundo a última pesquisa CNI/Ibope, e não segura o Sul, onde Serra mantém a dianteira, mas a curva de Dilma é ascendente.

"O PSDB imaginava que Serra teria de 500 mil a um milhão de votos a mais do que Dilma aqui. Do jeito que as coisas estão indo, talvez consigam a metade da diferença entre Alckmin e Lula na última eleição". No segundo turno das eleições de 2006, Geraldo Alckmin (PSDB) fez no Rio Grande do Sul 674 mil votos a mais do que Lula.