Dilma vai a Bruxelas sem confirmar encontro com líder europeu

Portal Terra

PARIS - A candidata do PT à presidência da República, Dilma Rousseff, embarcou, na tarde desta quinta-feira para Bruxelas (Bélgica) sem a certeza de que o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, poderá recebê-la. O encontro foi agendado para as 18h (13h em Brasília). No entanto, Barroso está sobrecarregado com atividades no conselho e poderia ser obrigado a adiar a reunião que previa com Dilma.

Bruxelas é a segunda etapa do giro internacional da petista desde o anúncio oficial da sua candidatura, no domingo. A ex-ministra da Casa Civil chegou em Paris na terça-feira, encontrou-se ontem com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e hoje, às 15h (10h em Brasilia), embarcou em um trem de alta velocidade rumo à capital belga. O bilhete de Dilma era de segunda classe.

Em Bruxelas, Dilma deve se encontrar com Barroso para tratar sobre as relações entre o Mercosul e a União Europeia, enquanto possível futura presidente do Brasil. Às vésperas de embarcar no trem, em Paris, a candidata demonstrou naturalidade sobre a possibilidade de atraso ou mesmo anulação do encontro. "Ele não vai receber na hora que ele iria receber. Ele não sabe a que horas ele vai receber", contou Dilma. "Ele está no Conselho Europeu. Vai ser na hora em que ele puder. Isso é absolutamente normal", disse.

Barroso preside uma sessão extraordinária do Conselho Europeu sobre o futuro da governança econômica europeia, com a presença de todos os 27 chefes de Estado e de governo do bloco econômico.

Enquanto aguardava o trem para Bruxelas, a petista negou que estivesse se escondendo da imprensa brasileira que acompanha a sua viagem. Ela justificou as poucas entrevistas concedidas e as manobras para despistar os jornalistas afirmando que não acha necessário se exprimir mais do que uma vez ao dia.

"Eu não tenho o que falar para vocês", resumiu. "Eu não tenho por que dar três entrevistas por dia. É um excesso." Para ela, os jornalistas não deveriam tê-la acompanhado em uma visita ao museu Jacquemart-André, ontem à tarde, quando se recusou a responder perguntas que não fossem sobre o seu passeio ou futebol.

Na saída da reunião com Sarkozy, ela deu uma breve declaração, de menos de dois minutos, e foi obrigada a deixar o Palácio do Eliseu por razões protocolares. Após deixar o palácio, ela cumpriu agenda não divulgada e se manteve distante dos jornalistas até o final da noite.

Hoje, ela relatou que o presidente francês não fez qualquer pergunta sobre a sua campanha no Brasil.