Tuma Jr. diz que vai à Justiça para anular provas da PF contra ele

Portal Terra

BRASÍLIA - O ex-secretário nacional de Justiça Romeu Tuma Jr. disse na terça-feira que vai à Justiça para anular provas da Polícia Federal contra ele que considera ilícitas. Tuma Jr. foi exonerado do cargo na segunda-feira, devido a suspeitas de ligação com o suposto chefe da máfia chinesa no Brasil, Paulo Li. Entre as provas que o ex-secretário considera irregulares estão os e-mails que a PF copiou de seu computador no Ministério da Justiça sem autorização judicial. O ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, foi quem autorizou a cópia. As informações são do jornal Folha de S.Paulo.

Na avaliação da PF, a máquina pertencia ao ministério e, portanto, não necessitaria de autorização da Justiça para fazer cópias. Além do computador de Tuma Jr., a PF recolheu dados de Luciano Pestana Barbosa, diretor do Departamento de Estrangeiros do ministério, e de Paulo Guilherme Mello, assessor do ex-secretário em São Paulo. A Justiça já considerou ilícita as provas colhidas contra Barbosa.

No despacho da juíza federal Pollyanna Maciel Medeiros Martins, da 12ª Vara de Brasília, que concedeu habeas corpus para a defesa do diretor, ela afirma que a busca e apreensão "não poderia prescindir de autorização judicial", mesmo se tratando de um computador de um órgão do governo.