Terceirizados protestam contra salários atrasados no Senado

Claudia Andrade, Portal Terra

BRASÍLIA - Um grupo de funcionários terceirizados fez um protesto nesta terça-feira, no Senado, reclamando o não pagamento de salários e cobrando que os contratos com as empresas sejam revistos. Os manifestantes dizem que cerca 3,5 mil terceirizados ficarão parados até que a questão seja resolvida.

"Queremos que o Senado revogue todos os contratos com irregularidades e refaça um por um para serem consertados os problemas", disse o integrante da Associação dos Terceirizados do Senado Valdemiro de Souza.

O Senado iniciou um processo para recontratação de mais de 1,2 mil terceirizados para diferentes funções, com salários de até R$ 6 mil. A medida vai contra a promessa de reforma administrativa feita pela Casa durante a crise dos atos secretos usados para criar cargos e aumentar salários.

Um dos objetivos da reforma era exatamente o corte de custos. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), afirmou nesta terça-feira que vai pedir explicações sobre a contratação de terceirizados e que a medida poderá ser corrigida. Ele disse ter ficado "surpreendido" com as notícias sobre a recontratação. "Eu também estou surpreendido com as com as notícias que foram dadas uma vez que essa parte de contratação é da competência da direção geral. Fiquei surpreendido e acho que realmente são números excessivos", afirmou.

O representante dos terceirizados disse que os funcionários devem ter uma reunião com Sarney para tratar do tema. Ele é contra corte de cargos, mas diz não haver necessidade de a Casa ter mais terceirizados em seu quadro.

"O que adianta colocar mais 1,2 mil se (a empresa) não está pagando nem os que estão aqui dentro? Não é justo. Não precisa de mais terceirizados. Todo mundo vai falar que o senado está fazendo cabide de emprego e vai prejudicar quem? Os pais de família que estão aqui há mais de 10, 20 anos", disse.

O manifestante destacou a importância do trabalho dos terceirizados. "Todos os terceirizados que estão aqui têm a sua função, são necessários. O senado não anda sem os terceirizados. Quem faz a limpeza, quem mexe com a parte elétrica, o contínuo, a copeira, são terceirizados que fazem seu serviço", afirmou.