PMDB de Minas exige escolha de candidato até quarta-feira

Portal Terra

BELO HORIZONTE - O tempo fechou de vez entre o PT e o PMDB de Minas Gerais. Os dirigentes dos dois partidos passaram a tarde e a noite de segunda-feira em reuniões separadas, discutindo a aliança entre as siglas e defendendo, cada um, seu candidato ao Governo de Minas.

O PMDB pressiona para que a escolha aconteça até esta quarta-feira, o que pode favorecer seu candidato, o senador Hélio Costa. A reunião da comissão dos partidos em Minas, que aconteceria nesta terça-feira, em Belo Horizonte, foi cancelada.

No PMDB, a informação é de que uma outra reunião, com a cúpula das duas siglas, aconteça ainda na noite de terça ou no mais tardar na quarta-feira pela manhã em Brasília. O encontro teria a presença dos presidentes nacionais do PMDB, Michel Temer, do PT, José Eduardo Dutra, e dos pré-candidatos Hélio Costa e Fernando Pimentel (PT). "Espero que a decisão saia até esta quarta mesmo. Vamos ver quem está melhor nas pesquisas encomendadas pelos dois partidos", pontuou o coordenador da pré-campanha de Hélio Costa, deputado Antonio Andrade.

Entre os petistas mineiros, no entanto, a informação nas últimas horas é de que não havia certeza da presença de Pimentel a este encontro das cúpulas. O receio do grupo que apoia o ex-prefeito de Belo Horizonte é que, na oportunidade, a decisão seja tomada de cima para baixo. O PT ainda tenta ganhar tempo e fugir da pressão nacional. O prazo final para "bater o martelo" em torno do candidato da dobradinha é dia 6 de junho.

Em meio à pressão do PMDB pela escolha de Hélio Costa, os aliados de Pimentel reagiram. Um almoço em Brasília, nesta terça, irá reforçar o apoio das siglas da base do presidente Lula ao candidato petista. O evento está sendo promovido pelo presidente da Federação Nacional do Transporte, Clésio Andrade, do PR, que é pré-candidato ao Senado por Minas.

O clima entre os petistas era de muita tensão na noite de segunda-feira, o que sinalizava com a indicação de Hélio Costa para a vaga. Segundo o deputado estadual Durval ngelo, que participava de uma das muitas reuniões do PT, "qualquer coisa que fuja do prazo de 6 de junho, acordado entre os dois partidos, é golpe". Ele admitiu que ainda não havia certeza da ida de Fernando Pimentel a Brasília para a reunião da cúpula de PT e PMDB.

As duas legendas devem ter em mãos, ainda nesta terça-feira, o resultado das pesquisas encomendadas para testar o potencial eleitoral de Costa e de Pimentel. O PT requereu um levantamento qualitativo, que leva em conta critérios subjetivos, como capacidade de projeção junto ao eleitor e rejeição, e ainda analisa o comportamento do eleitorado de forma mais aprofundada.

Já a quantitativa, encomendada pelo PMDB, testa os índices numéricos dos concorrentes. Os últimos levantamentos mostram o nome de Hélio Costa bem à frente do segundo colocado, com cerca de 50% dos votos. Antonio Anastasia, candidato do ex-governador Aécio Neves, tem cerca de 17%.