Custo de novo plano de carreira da Câmara chega a R$ 250 mi

Portal Terra

DA REDAÇÃO - Ao chegar ao Salão Verde da Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, o presidente da Casa, Michel Temer (PMDB-SP) defendeu as mudanças no plano de carreira dos servidores da Câmara que aguarda sanção presidencial. As alterações, previstas para vigorar no segundo semestre, têm um impacto previsto de R$ 250 milhões sobre o orçamento da Casa.

O projeto foi enviado para o presidente na última semana e, se não analisado em 15 dias pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, voltará para sanção pelo Congresso, conforme determina a Constituição.

Segundo a assessoria de imprensa da Câmara, o tema foi aprovado e "amplamente discutido" no ano passado. Por isso, já há previsão orçamentária para implementá-lo.

O novo plano de carreira dos servidores determina novos patamares de cálculo salarial, de acordo com as funções exercidas e a qualificação do servidor. Na prática, a mudança significa um reajuste médio de 15%, que pode chegar a 30% em alguns casos.

Em sua conversa com a imprensa, Temer ressaltou que a Câmara não concede nenhum tipo de reajuste há cinco anos e que alguns servidores têm trocado a Casa por cargos em outros poderes, como o Executivo, por se sentirem mal remunerados.