Yeda diz não ter ciúmes do assédio de Serra ao PMDB gaúcho

Portal Terra

PORTO ALEGRE - A governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius (PSDB), pré-candidata à reeleição, comparou neste domingo as constantes investidas do pré-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, sobre o PMDB gaúcho, adversário na eleição estadual, a uma relação. "Eu não tenho o menor ciúme, só não queiram vir para a minha cama", explicou Yeda, durante entrevista ao programa Canal Livre, na TV Bandeirantes.

Segundo Yeda, não há traição da parte de Serra ao palanque tucano no Estado porque o assédio do presidenciável ao PMDB ocorreria com o consentimento do PSDB gaúcho. "Na verdade não há traição, há consentimento", assegurou Yeda, ao que o jornalista Fábio Panuzzo replicou, perguntando se então é um grande "ménage à trois" (relacionamento sexual entre três pessoas) o que acontece no Rio Grande do Sul. Yeda respondeu: "não na minha cama". Diante da insistência dos jornalistas sobre se continuará a fazer vistas grossas à preferência de Serra pelo PMDB, que no RS tem como pré-candidato ao governo o ex-prefeito de Porto Alegre, José Fogaça, Yeda afirmou: "só não tirem o que é meu".