Serra aparece em propaganda duas vezes mais que membros do DEM

Marcela Rocha, Rafael Nardini, Portal Terra

DA REDAÇÃO - O programa político do partido Democratas foi ao ar em cadeia nacional de rádio e televisão na noite desta quinta-feira (27) tendo como destaque o pré-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra. O tucano somou dez inserções no vídeo ante apenas quatro aparições de políticos filiados ao DEM. Ao todo, o ex-governador de São Paulo falou por pouco mais de cinco minutos - a metade do tempo do programa que contou com a direção de Luiz Gonzalez, seu marqueteiro.

Segundo o deputado José Carlos Aleluia (BA), "se a lei permite aparecer uma, porque não aparecer dez?". O parlamentar minimiza a diferença de tempo dada às falas de Serra e disse que "foi o melhor programa que o partido ja fez na sua história".

Na abertura da propaganda, o deputado Paulo Bornhausen (DEM-SC) falou sobre a aliança entre o DEM, o PSDB e o PPS. Seguiu-se uma aparição de Serra. Ao longo dos dez minutos, falaram outros políticos do DEM: o senador Agripino Maia (RN), o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, e o presidente nacional da agremiação, deputado Rodrigo Maia (RJ).

Temas como emprego, saúde, infraestrutura e educação foram tratados pelo DEM, sempre através do discurso de Serra. A propaganda usou as imagens feitas no "Encontro nacional entre partidos", organizado pelos três aliados - PSDB, DEM e PPS -, em 10 de abril deste ano. Na ocasião, Serra lançou sua pré-candidatura à presidência.

O ataque aos adversários foi deixado para o senador Agripino. "É triste ver o governo do PT usar seu espaço de propaganda para semear a discórdia entre irmãos", disse. Depois dele, Serra defende um "Brasil unido", garantindo que, caso eleito, será o fim da disputa "pobre contra ricos".

Segundo apuração do Terra, Maia, o deputado ACM Neto, Bornhausen e o pré-candidato ao governo baiano, Paulo Souto, não assistiram ao programa político partidário. Todos disseram ter outros compromissos no horário da transmissão e classificaram o vídeo como uma propaganda da coligação por ter abordado temas acordados entre as três legendas.

Batalha judicial

Após o vídeo ter sido divulgado, o advogado do PT, Márcio Silva, declarou que a legenda entrará com representação contra o DEM. O Partido dos Trabalhadores (PT) tentou impedir que a propaganda fosse veiculada. Segundo a legenda, se tratava de uma propaganda eleitoral antecipada.

De acordo com o PT, no site do DEM e em entrevista do deputado Rodrigo Maia foram feitas afirmações de que Serra ocuparia parte do programa nacional do partido. O PT alegou afronta à lei dos partidos políticos. Segundo nota publicada pelo Tribunal Superior Eleitoral, o ministro negou o pedido, afirmando que não há censura prévia aos programas partidários.

Quando o PT veiculou a sua propaganda no mês passado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não economizou elogios ao desempenho da sua pré-candidata, Dilma Rousseff. Lula chegou a comparar a ex-ministra ao líder sul-africano Nelson Mandela. A peça publicitária rendeu nova representação contra a legenda por propaganda eleitoral antecipada.