PSDB entra no TSE com pedido de nova suspensão para o PT

Laryssa Borges, Portal Terra

BRASÍLIA - O PSDB recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com pedido para que o Partido dos Trabalhadores (PT) seja condenado a pagar multa de até R$ 250 mil por propaganda eleitoral fora de época em favor da pré-candidata à presidência da República, Dilma Rousseff. Para os tucanos, a penalidade é justificada por supostas irregularidades cometidas durante a exibição da propaganda eleitoral do último dia 13 de maio.

No pedido, que será relatado pelo corregedor-geral eleitoral, Aldir Passarinho Junior, os tucanos pleiteiam ainda que o PT fique sem o direito de exibir propaganda partidária no segundo semestre de 2011. Na última semana o TSE decidiu aplicar multa de R$ 5 mil a Dilma e outros R$ 20 mil ao PT por uma propaganda extemporânea exibida em dezembro do ano passado. No julgamento, também suspendeu o direito de os petistas exibirem seu programa partidário no primeiro semestre do próximo ano.

No programa partidário veiculado no dia 13, ao falar de parte da história da ex-ministra da Casa Civil em cadeia de TV, o presidente Lula atribuiu 'grande parte' do reconhecimento de seu governo à Dilma e relembrou que a vida da candidata à sua sucessão poderia ser comparada também com a atuação do líder sul-africano, Nelson Mandela, no combate ao apartheid.

"O PT incorreu em inequívoco desvio de finalidade" ao exibir "verdadeira apologia à pessoa de Dilma Rousseff, dedicando a integralidade dos seus 10 minutos para exaltar o seu currículo, seus feitos administrativos e, além disso, disparar rasgados elogios ao governo comandado pelo presidente Lula, num proselitismo eleitoreiro que prega, de forma aberta, o 'continuísmo' de governo que, como sustentam os representados (PT), só poderá acontecer se a candidata indicada pelo partido ganhar as eleições vindouras", defendeu o PSDB na ação encaminhada ao TSE.

A propaganda eleitoral formal só é permitida por lei a partir do dia 6 de julho, mas, na avaliação dos tucanos, os petistas têm utilizado o programa televisivo para "promover a candidata petista, bem como pregar a continuidade do 'governo Lula' em afronta aos ditames legais que regem a propaganda partidária".