MP vai investigar causas do incêndio no Instituto Butantan

Portal Terra

SÃO PAULO - O Ministério Público do Estado de São Paulo (MP-SP) anunciou nesta segunda-feira que vai acompanhar as investigações criminais sobre o incêndio ocorrido no Instituto Butantan, no sábado, que destruiu os acervos científicos de cobras e aracnídeos da instituição. O caso também será investigado pela Promotoria de Justiça do Patrimônio Público e Social.

A promotoria do Patrimônio vai averiguar eventual omissão da direção do instituto ou qualquer outra irregularidade que possa ter causado ou contribuído para o acidente.

O inquérito policial, aberto hoje, foi registrado no 51º Distrito Policial (DP) e está sob a responsabilidade do delegado Paulo César Costa.

Incêndio

O fogo atingiu o Prédio das Coleções onde se encontrava o maior acervo de cobras, aranhas e escorpiões tropicais do mundo, além de outras espécies de répteis, artrópodes e quelônios. A instituição ainda não totalizou os prejuízos e disse que um levantamento deverá ser feito assim que o prédio for liberado pela perícia.

No sábado, uma equipe de peritos do Instituto de Criminalística (IC) vistoriou o local para procurar vestígios ou informações sobre o que pode ter provocado o incêndio. Na manhã de hoje, os peritos voltaram ao instituto para uma nova vistoria.

O secretário estadual de saúde, Luiz Roberto Barradas Barata, também visitou o Butantan e pediu para o diretor, Otávio Mercadante, elaborar imediatamente um projeto para a recuperação do prédio.

Por meio de nota, o Instituto Butantan afirmou que os funcionários notaram o incêndio por volta das 7h45, os bombeiros foram chamados, mas não conseguiram evitar a destruição da maior parte do acervo conservado em formol.

O instituto, que ficou fechado no final de semana, voltou a abrir para visitação pública, com exceção dos museus, que sempre fecham às segundas-feiras.