Especialista elogia Cesp por remarcar concurso da Caixa para dia 23

JB Online

RIO - A polêmica envolvendo o concurso da Caixa Econômica Federal (CEF) para técnico bancário novo, no Rio e em São Paulo, terá novos capítulos nos próximos dias. Com a divulgação da nota da banca organizadora, o Cespe/Unb, sobre o tumulto em locais de provas no último domingo e os rumos que o processo seletivo tomará, o diretor pedagógico da Academia do Concurso Público (ACP), Paulo Estrella, avalia que pode ter sido uma saída de mestre . Segundo ele, como o candidato será classificado dentro do pólo e do macropolo que se inscreveu - e todos os macropolos que tiveram problemas no dia 9 estão sendo convocados para a prova do dia 23 -, todos os inscritos serão avaliados pela mesma prova.

O ideal é que o problema não tivesse existido, mas a proposta do Cespe/UnB tem um impacto muito menor do que convocar novamente todos os candidatos para nova avaliação. O único ponto que pode dar problema são os candidatos do macropolo São Paulo, que não são de tecnologia da informação e erraram o local das provas; estes não terão outra oportunidade. Não vejo má-fé na organizadora, o ocorrido me parece ter sido uma fatalidade, parece não terem percebido a falta de clareza na divulgação dos locais das provas, nos cartões que os candidatos receberam , afirma o especialista.

No entanto, Paulo Estrella alerta que apesar de não haver culpados, há muitos prejudicados nesse evento: a banca examinadora, que tem seu nome envolvido em um escândalo, mesmo que não tenha sido de má-fé, mas ficará no seu histórico; os candidatos que fizeram a prova no dia 9 e que irão fazer novamente no dia 23 passarão por outro estresse e terão provavelmente notas diferentes; o concurso público, que a cada novo problema perde crédito perante a sociedade, tanto junto às pessoas que veem o concurso público como uma possibilidade de mudança de vida pessoal, quanto para as que acreditam que a qualidade dos serviços prestados nos órgão públicos melhorará à medida que os antigos funcionários sejam substituídos por novos, concursados e melhor preparados. Todos perdem com o descrédito do concurso , analisa.

Apesar do incidente, Paulo Estrella faz uma análise positiva da situação. Por incrível que possa parecer, vejo fatos que devem ser exaltados. A cobertura da imprensa é um deles. Com as notícias circulando em tempo real, fica muito difícil uma fraude ou problema em um processo seletivo passar despercebido. A transparência que os meios de comunicação exigem do processo seletivo e a velocidade que essa informação circula faz com que a sociedade, instituições e os próprios candidatos tenham o controle e capacidade de reagir às irregularidades, garantindo idoneidade ao processo , afirma.

Para os candidatos que farão a prova no dia 23, o especialista ensina: Mantenham a calma, aproveitem essas duas semanas para estudar e aprofundar os conteúdos que não estão bem fixados. Aproveitem a prova do dia 9 como um simulado, descubram onde está o seu ponto fraco e trabalhem usando essa informação como um balizador do estudo. Com esses procedimentos, com certeza o candidato estará mais preparado do que estava no dia 9. Acima de tudo, o candidato deve acreditar não só no seu potencial, mas também na lisura do processo, pois apesar dos problemas, há também controle e soluções .