Chefe de fiscalização

João Pequeno, Portal Terra

RIO DE JANEIRO - Uma semana após anunciar política de tolerância zero com propaganda eleitoral antecipada, o chefe da Fiscalização de Propaganda Eleitoral do TRE-RJ, Luiz Fernando Santa Brígida, foi exonerado. A oficialização aconteceu nesta terça-feira (11), por pedido do juiz Paulo Cesar Vieira, superior direto de Santa Brígida, que ocupava o cargo desde 2004 e atribuiu sua saída a "incompatibilidade de métodos de trabalho".

Há uma semana, Santa Brígida mandou um recado para candidatos "apressados", dizendo que "não vale a pena arriscar", fazendo propaganda antecipada, aproveitando eventos como Dia das Mães, por exemplo.

Somente o ex-governador Anthony Garotinho, pré-candidato à reeleição pelo PR (Partido da República) foi multado três vezes por propaganda antecipada nas últimas duas semanas - mais recente pela distribuição do jornal República 22, de seu partido, que fazia alusões a iniciativas dele supostamente desfeitas pelo atual governador, Sérgio Cabral (PMDB), seu provável adversário no pleito.

A assessoria de comunicação do TRE-RJ disse que a exoneração de Santa Brígida, funcionário do Tribunal de Justiça, que estava emprestado, ocorreu por determinação do presidente do órgão, Nametala Jorge, que não necessitaria de uma explicação.

Os fiscais do TRE que foram nesta segunda (10) ao encontro de Cabral com a pré-candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, e 86 prefeitos dentre os 92 do estado do Rio, saíram antes da chegada da própria Dilma. Segundo Santa Brígida, embora a oficialização tenha se dado somente nesta terça, "ontem (segunda, 10), eu não estava mais; já havia sido avisado".

No dia 1º, os fiscais do TRE haviam ficado até o final da reinauguração do psicinao de São Gonçalo, na região metropolitana, também com a participação do governador.