Presidente do PSDB: governo Serra aceitou gente de esquerda

Portal Terra

SÃO PAULO - No mesmo dia em que o pré-candidato do PSDB à presidência da República, José Serra, disse ser um político de esquerda, o presidente de seu partido e coordenador de sua campanha, senador Sérgio Guerra (PE) disse que no governo de São Paulo, comandado por Serra até março, "deve ter gente do PT, gente de esquerda...". Ao perceber o equívoco, o pernambucano tentou consertar: "da esquerda não, porque nós também somos. Deve ter gente de todas as áreas". A plateia não segurou os risos.

Em debate no jornal O Estado de S. Paulo com o presidente do PT, José Eduardo Dutra, o senador criticou, sem nominar, o "aparelhamento do Estado". Disse também que isto não é uma prática do PSDB e que a máquina estatal não pode ser dividida entre membros do partido. "É assim que nós trabalhamos, nenhum preconceito", acrescentou.

Na manhã desta segunda-feira (10), o pré-candidato do PSDB concedeu uma entrevista à Rádio CBN. Questionado sobre seu direcionamento político pelo jornalista Heródoto Barbeiro, Serra respondeu ser de esquerda, com uma ressalva: "não é uma categoria que hoje em dia eu uso, mas do ponto de vista convencional, sim". Em seguida, o tucano embasou a réplica do jornalista. "No sentido que eu defendo um projeto de desenvolvimento nacional para o País, que eu defendo o Estado com um governo forte, não obeso, mas musculoso".

A aproximação do PSDB com a esquerda também foi feita pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva ainda em setembro do ano passado. O petista disse que "pela primeira vez não vamos ter um candidato de direita na campanha. Não é fantástico isso? Querem conquista melhor do que em uma campanha a gente não ter nenhum candidato de direita? Porque antigamente como era a campanha? Era o de centro-esquerda ou de esquerda contra os trogloditas de direita. Era assim em toda campanha".