Diretor da FAO diz que Fome Zero deve ser exportado para a África

Agência Brasil

BRASÍLIA - O diretor-geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), Jacques Diouf, elogiou hoje (10) o programa Fome Zero. Segundo ele, o programa deve ser exportado para os países africanos com o objetivo de garantir a segurança alimentar e a qualidade de vida para quem vive nesses países. De acordo com Diouf, a FAO garante os financiamentos e a tecnologia necessários para a execução dos projetos.

A intenção de executar versões do Fome Zero é importante para o desenvolvimento e levar adiante a experiência e a tecnologia desse programa para avançar nos projetos de segurança alimentar , disse Diouf, que participa da Reunião Diálogo Brasil-África sobre Segurança Alimentar, Combate à Fome e Desenvolvimento Rural, no Itamaraty.

De acordo com o diretor-geral da FAO, programas como o Fome Zero são um exemplo para o resto do mundo. Essa iniciativa tem reduzido a pobreza e estimulado uma série de ações. Já reduziu em 28% a fome, de 2004 a 2006 , disse ele.

Ao longo desta segunda-feira, uma série de reuniões está sendo realizada com a participação de ministros e especialistas de países africanos. A ideia é apresentar propostas para a promoção da agricultura, da segurança alimentar e do desenvolvimento rural para ampliar as áreas de cooperação entre o Brasil e esses países.

Nos últimos anos, os países africanos recebem aproximadamente 60% dos recursos da Agência Brasileira de Cooperação (ABC) destinados à cooperação internacional. Há 50 projetos na área de segurança alimentar operados pela ABC em 18 países africanos. De acordo com Diouf, com projetos brasileiros e estrangeiros em execução na África cerca de 20 milhões de pessoas são favorecidas.

No início da manhã de hoje, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu o prêmio Campeão do Mundo na Batalha Contra a Fome concedido pelo Programa Alimentar Mundial (PAM), vinculado às Nações Unidas.

Para a FAO, Lula deve ser premiado por seus esforços na implementação de ações no Brasil e no exterior que visam ao combate à fome. Um dos destaques foi a atuação brasileira na cooperação com o Haiti devastado depois do terremoto de 12 de janeiro.