Eleições 2010: Se falta experiência, sobra popularidade aos candidatos

Flávia Salme, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Certos de que a alternância de poder é um acertado exercício da democracia brasileira, personagens das mais diferentes cenas cotidianas do país se preparam para defrontar baluartes da política no pleito de outubro. Sem medo da pouca ou nenhuma experiência, os aspirantes a candidatos cariocas já permitem traçar um pré-perfil das novidades esperadas na campanha eleitoral.

Depois de aplainar o caminho que alçou Fernando Collor de Mello presidente, pelo extinto Partido da Renovação Nacional (PRN), o advogado Daniel Tourinho promete agora mais um líder de campanha na sua nova sigla, o Partido Trabalhista Cristão (PTC): a funkeira Tati Quebra Barraco.

Ela vai ser uma puxadora de votos, vai aparecer todo dia na TV. É muito inteligente e voluntariosa. Tão direta que dói. Vai chegar no Congresso quebrando o barraco aposta Tourinho, presidente do PTC-RJ.

Tati, como ele a chama, deverá ser candidata a deputada federal. Ao lado dela, outra aposta do partido: o campeão mundial interclubes pelo Flamengo, em 1981, Adílio.

Vamos ver quem tem mais torcida, o Flamengo ou o Vasco disse Tourinho, referindo-se à outra pré-candidatura, a do tetracampeão Romário à Câmara dos Deputados, pelo PSB.

Agora parece, realmente, ser a vez de os funkeiros tentarem conquistar uma cadeira ou várias na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) e na Câmara dos Deputados. Além de Tati, especula-se que a ex-vereadora Verônica Costa (PMDB) tente voltar à cena pública como deputada estadual. A corrida por um gabinete no Palácio Tiradentes promete ser animada, já que seu ex-marido, Rômulo Costa, ou sua atual esposa, Priscila Nocetti, devem disputar o pleito, provavelmente, pelo Partido Republicano (PR).

Mostrando que tem peito para enfrentar a disputa, a dançarina Renata Frisson, a Mulher Melão, também sinaliza batalhar por uma vaga, pelo Partido Humanista da Solidariedade (PHS).

Se showmícios ainda fossem autorizados pelo TSE, as eleições correriam o risco de virar um batidão neurótico , como dizem os adeptos do gênero musical. Para concluir o catálogo de funkeiros no certame eleitoral, o Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB) segue confiante de que Mr. Catra (do hit Capô de fusca) aceitará o convite do partido.

O Catra é um cara extremamente politizado, tem uma visão boa para o Rio. Ele já se filiou, mas faz suspense sobre a eleição diz Vinícius Cordeiro, presidente do PTdoB-RJ.

O partido aposta ainda em outro trunfo: o ex-pagodeiro Waguinho, líder evangélico da Assembleia de Deus, pré-candidato ao Senado.

Ontem, a empresária Ariadne Coelho viúva de Jair Coelho, o Rei das Quentinhas lançou sua pré-candidatura ao governo do Rio, pelo Partido Social Liberal (PSL).

Devassaram minha vida, me expuseram ao vexame, mas a Justiça sempre esteve do meu lado. Hoje me sinto forte para disputar o governo. Se existe uma candidatura com a ficha realmente limpa, ela tem nome e sobrenome: Ariadne Coelho garante.

Zefa e Merru: sucesso na TV, eles devem voltar

Quem não se lembra quando, em 2006, uma figura tresloucada com uma margarida gigante na cabeça, uma galinha de borracha pendurada na orelha e um cachorro a tira colo aparecia na propaganda eleitoral gratuita do PTdoB com o excêntrico apelo: Pelas criança, pelos idoso, pelos animal, Super Zefa federal: número sete, dois ovo e um pau. Yeah! , em referência ao seu então número de campanha (7001)? Regina Célia Bento, 49, estudante de direito, conciliadora de Justiça, atriz e jornalista, está de volta.

Zefa (ela diz que atende por esse nome, após entrar na catarse da personagem ) já passou pelo PFL (atual Democratas DEM), PTdoB, PR e, agora, está no Partido da Mobilização Nacional (PMN). O convite partiu do deputado estadual Alessandro Calazans.

A Zefa tem um trabalho sério. Ela se apresenta de maneira descontraída, mas é muito atuante. Com certeza, se tudo der certo, ela será destaque na campanha avalia a presidente regional do PMN, Maria da Graça Fortes.

A cada eleição, Zefa entra em uma personagem diferente. Em 2008, ela tentou pela terceira vez, em vão uma vaga na Câmara Municipal de São João de Meriti, município onde mora, na Baixada Fluminense. Por considerar que a cidade vive em um estado de pobreza que a mantém no período pré-histórico , virou Zefa das Cavernas.

Acho que o público não me reconheceu. Em 2006, conquistei 5.713 votos, como a Super Zefa. Já a Zefa das Cavernas ficou com o número da Besta, foram 666 votos. Para este ano, terei novidade, mas não posso contar, porque não quero fazer propaganda extemporânea, respeito a lei garante.

Se a única lembrança que restou das eleições de 1989 foram a vitória do Collor, o jigle do Lula (Lula, lá) e do Afif ( Juntos chegaremos lá ), vale a pena remexer a memória. Munido de um espanador, punhos em rijo sobre a bancada, Nelson Merru bradava: Chega de mamata, isso tem que acabar! . Pois é, pelos planos do PTdoB, ele voltará.

Preparativos, propostas e estudos para a estreia

Na tarde de sexta-feira, Tati Quebra Barraco participava de uma reunião na sede regional do PTC, no Centro do Rio. Recebia orientações do presidente regional da legenda, Daniel Tourinho, e da secretária-geral, Cristina Cardoso. Ao comentar sobre a decisão de entrar para a política, explicou:

Já sou preparada, nem. Claro que sou marinheira de primeira viagem, tudo é um processo. É isso aí...

Sobre como enfrentar a Câmara dos Deputados, falou:

Botando para quebrar. É isso aí... Entendeu?

Sobre a possível atuação parlamentar, foi além:

Sou da comunidade. Vou lutar pelo meu povo. E o meu povo é o Brasil. Claro que moro no Rio, mas sou 100% Brasil. É isso aí disse, apressando a despedida. Tenho de desligar, senão a conta do celular do presidente vai ficar muito cara. Depois a gente conversa mais.

Candidato ao Senado pelo PTdoB, Waguinho disse que foi uma surpresa o convite que recebeu do partido.

No mês que vem eu entraria na faculdade de jornalismo, mas veio o convite. Acho que posso ajudar. Frequento 800 favelas, ajudo milhares de jovens a se livrarem das drogas. É preciso olhar pelas condições de vida nas comunidades justifica-se.

Como a candidatura ainda não foi inscrita e homologada, Waguinho não sabe como serão os preparativos. Mas diz que pode ter jingle embalado por pagode abençoado , sem que isso represente a mistura de política com religião:

O Arlindo Cruz, que é espírita, e o Zeca Pagodinho, umbandista, já disseram que querem fazer meu jingle.