Municípios paulistas reduzem investimento em saneamento

Marli Moreira, Agência Brasil

SÃO PAULO - A cidade paulista de Mogi das Cruzes foi a que apresentou o maior retrocesso na oferta de serviços de saneamento. O município caiu da nona para a 20ª posição, reduzindo o tratamento que abrangia 71% do esgoto gerado para 33%, entre 2007 e 2008. Houve redução dos investimentos também em Santo André, no ABC, e em Piracicaba, no interior paulista. Os números são do Instituto Trata Brasil com base nos dados mais recentes do Ministério das Cidades.

No litoral, o município do Guarujá passou a integrar a lista, em 2008, ao ocupar a 44ª posição. Lá, apenas metade da população é atendida, mostrando indicadores muito ruins e piores do que a média brasileira , ressaltou Raul Pinho, conselheiro do Instituto Trata Brasil, no estudo.

Ele destacou ainda a crítica condição vivida pelas populações da Baixada Fluminense, no Rio de Janeiro. Nova Iguaçu, Belford Roxo, São João do Meriti e Duque de Caxias aparecem entre as dez piores. Pinho observou que essas localidades são a principal fonte de poluição da Baía de Guanabara.

Também estão entre as mais críticas, as cidades de Macapá (AP), Rio Branco (AC), Ananindeua (PA), Belém (PA), Porto Velho (RO), Cariacica (ES)e Canoas (RS).