Eleições 2010: Dilma: fala de Serra é estranha

Carolina Eloy, Jornal do Brasil

IPOJUCA (PE) - A ex-ministra da Casa Civil e pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, deixou bem claro que não haverá aliança entre PT e PSDB após as eleições. Ela participou sexta-feira do lançamento do petroleiro João Cândido, da Transpetro, no Estaleiro Atlântico Sul (EAS), em Ipojuca, Pernambuco. Dilma disse ter estranhado a afirmação do pré-candidato do PSDB, José Serra, de que se ele ganhasse a eleição, gostaria de ter o PT e o PV ao seu lado.

Qualquer tentativa de dizer que os projetos dos dois partidos não são distintos tem que ser explicada. Senão, por que os tucanos foram contra o presidente Lula durante tanto tempo? questionou Dilma. Por que fizeram uma oposição tão raivosa? Agora, quando o governo tem aprovação de 76%, e o presidente de mais de 90% em alguns estados, soa um pouco estranha essa fala.

Durante o evento de lançamento do primeiro navio do Programa de Modernização e Expansão da Frota (Promef) da Transpetro, subsidiária da Petrobras, e do Programa de Aceleração do Crescimento em Pernambuco, a pré-candidata sentou-se à primeira fila destinada a autoridades ao lado do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, mas não discursou. Líderes sindicais e políticos da região, contudo, disseram que Dilma representa a continuidade do mandato de Lula e a trataram como candidata à sucessão presidencial.

Dilma explicou que a sua presença no evento de sexta-feira não poderia ser configurada como crime eleitoral, já que ela ainda não foi anunciada formalmente como candidata pelo partido, e também não falou durante a cerimônia.

Vim neste evento pois tenho ligação emocional com o projeto, que gerou empregos e melhora na renda da população da região destacou Dilma.

Ciro

Sobre o possível apoio de Ciro Gomes, Dilma disse que ainda não procurou o PSB para tratar deste assunto. Ciro foi obrigado a abandonar sua intenção de concorrer à Presidência, pois o PSB preferiu apoiar a pré-candidata do PT ao lançar uma candidatura própria.

Estava esperando o tempo do partido, mas durante estes anos no governo Lula pude trabalhar com Ciro, uma pessoa por quem tenho muita admiração, respeito e amizade. Então, pretendo procurá-lo, já que sei que ele está do nosso lado afirma.

Questionada sobre as gafes que teria cometido nas últimas semanas, como afirmar que os imigrantes saiam do Nordeste para ir para o Brasil , Dilma foi irônica:

Dá a impressão de que a única pessoa que comete deslizes sou eu. O resto é absolutamente impecável e perfeito.

A pré-candidata ressaltou que seu estilo não é uma cópia da postura de Lula, e que acredita que a imprensa mostra uma face mais dura dela, enquanto apresenta os concorrentes de forma mais amena.

Dilma afirmou ainda que Lula lhe deu uma dica importante para a sua campanha.

Ele me disse: Dilminha, aprenda com o povo .

Gripada, Marina Silva decide cancelar sua agenda

A senadora e ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva, pré-candidata do PV à Presidência da República, cancelou sua agenda de sexta-feira, que incluía uma viagem ao Rio Grande do Sul, por causa de uma gripe, que a deixou afônica. Ao invés do compromisso político, ela precisou se consultar com um médico em São Paulo. Durante o fim de semana, a previsão é de que Marina permaneça em Brasília, repousando em sua casa.

A programação que estava marcada para o Rio Grande do Sul previa uma viagem de cerca de 15 minutos, de trem, entre Porto Alegre e Canoas, onde Marina participaria da inauguração da sede local do PV, e receberia apoio de um movimento suprapartidário favorável à sua candidatura.

O estado gripal de Marina Silva já havia ficado evidente na quinta-feira, quando ela participou de um debate em Minas Gerais, no primeiro encontro para troca de ideias entre ela, José Serra (PSDB) e Dilma Rousseff (PT), seus dois rivais na pré-campanha à Presidência. Na ocasião, Marina permaneceu sentada, enquant os outros discursaram de pé.

TV suprime elogios à pré-candidata petista

A NBR, emissora estatal do governo federal, suprimiu trechos dos áudios que faziam referências positivas à pré-candidata petista Dilma Rousseff, durante a cobertura do evento de sexta-feira em Ipojuca (PE), que lançou o primeiro navio do Programa de Modernização e Expansão da Transpetro (Promef). O corte das falas incluiu o discurso do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O som original do evento era substituído, neste caso, por uma locutora, que dava informações sobre o acontecimento. Quando as referências a Dilma acabavam, o som ambiente era restabelecido.

Segundo a assessoria de imprensa da Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), a quem a NBR paga pelas transmissões dos eventos do governo, houve orientação prévia para que a atitude fosse tomada. O evento de sexta-feira foi o primeiro do governo com a presença de Dilma na condição de pré-candidata. Ainda segundo a assessoria, o objetivo era impedir que fosse veiculado algum tipo de discurso que pudesse ser interpretado como favorável à ex-ministra e evitar reclamações de outros partidos.

Mesmo sabendo que a regra que impede a veiculação desse tipo de fala só passa a valer a partir de junho, quando as candidaturas serão oficializadas, a NBR decidiu antecipar esse procedimento.

Na terça-feira, o Conselho Curador da TV Brasil, ligado a EBC, se reúne para definir seu código de conduta para o período eleitoral.