Governo firma posição em 6,14% a pensionistas

Jornal do Brasil

BRASÍLIA - Em uma reunião do presidente Luiz Inácio Lula da Silva com o ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, na manhã de quinta-feira, o governo manteve a posição de reajustar em 6,14% o valor das aposentadorias e pensões de quem recebe mais de um salário mínimo.

Fizemos o acordo para dar ao aposentado um reajuste real, acima da inflação, de 6,14%. Achamos que esse é o limite. É evidente que pode até haver alguma mudança, mas essa é a posição do presidente disse o ministro, após a reunião.

Na avaliação dele, as negociações patrocinadas por parlamentares e sindicalistas no sentido de elevar o percentual para 7% ou 7,7% parecem um campeonato para ver quem seria mais bonzinho com os aposentados. Bernardo afirmou que 6,14% é um índice superior à inflação, portanto, um ganho real para os aposentados. Gostaríamos que fosse votado agora. Não concordamos com essa história de fazer um campeonato para ver quem é mais bonzinho .

Veto

Sobre a possibilidade de o Congresso aprovar percentuais maiores, o ministro reafirmou a posição do presidente Lula:

Se não for sustentável, o presidente já tinha dito e acabou de falar para mim novamente: Vou vetar .

Mais tarde, Lula evitou confirmar a afirmação, mas desafiou os parlamentares a respeito de quem realmente deseja conceder o melhor índice para aposentados e pensionistas.

O que eu quero é o bem do aposentado olhando o seguinte: eu, ao colocar comida no prato das pessoas, tenho de saber a quantidade de comida que tem na panela. disse Lula. É uma questão de custo e benefício. Eu tenho de saber se o que foi aprovado é possível a Previdência custear.

O ministro Paulo Bernardo também se queixou de setores da base aliada do governo que propuseram os aumentos entre 7% e 7,7%. Segundo ele, o impasse não contribui em nada para a concessão do reajuste. Questionado se não aceitar um reajuste maior que 6,14% não seria uma atitude impopular em pleno ano de eleição, Bernardo respondeu que não:

Temos que dar claramente o sinal de que estamos firmes nessa questão. disse o ministro. Acho que, ao contrário do que alguns pensam, ter clareza e firmeza numa posição como essa dá voto e não o contrário, que é achar que vai ganhar voto, que vai ganhar a eleição por que fica fazendo esse campeonato de índices, cada um maior do que o outro.

Reunião

Lula convocou para a noite de quinta-feira uma reunião com os ministros da área econômica para discutir exclusivamente a questão do reajuste. Segundo ele, a intenção não seia a de enquadrar a equipe, mas debater alternativas.

Ao presidente da República não cabe ficar dando palpite e dizendo o que deve votar. afirmou o presidente. A proposta do governo estava acordada com as centrais sindicais.