MST faz ato na Praça da Sé para cobrar reforma agrária mais ampla

Elaine Patricia Cruz, Agência Brasil

SÃO PAULO - Os integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), dos quilombolas e dos movimentos negro e indígena se reuniram na tarde de hoje (21), na Praça da Sé, em São Paulo, para discutir a questão da terra no país. O encontro que tinha o objetivo inicial de ser um tribunal popular para julgar o Estado brasileiro, se transformou em uma aula pública , com denúncias e pedidos de reforma agrária.

Para Gilmar Mauro, da direção nacional do MST, a questão da reforma agrária atualmente não envolve somente uma luta pela distribuição de terra, mas, também, uma discussão sobre o papel que queremos para o solo, para os recursos naturais e para os alimentos .

Mauro afirmou que o MST deve fazer o possível para que essas questões estejam presentes nas pautas dos candidatos à Presidência da República nas eleições deste ano. Faremos todo o possível para que [a reforma agrária] seja pautada, não só a reforma agrária numa lógica distributiva ou produtivista, mas uma reforma agrária que leve em consideração o que seria produzir alimentos saudáveis, o que seria fortalecer a agricultura familiar e o que seria a preservação ambiental neste país .

A manifestação realizada hoje, em São Paulo, é parte das ações que marcam o chamado Abril Vermelho. Durante este mês, em São Paulo, segundo Gilmar Mauro, o MST fez dez ocupações de propriedades rurais(duas delas já desocupadas) e de prédios de órgãos públicos como a sede do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e do Banco do Brasil, na capital paulista. A sede do Incra foi desocupada hoje.

Edição: Aécio Amado