Ipea: desigualdade entre ricos e pobres é maior no DF

Agência Brasil

BRASILIA - A ocupação do interior do Brasil e o desenvolvimento econômico das regiões mais longínquas podem ter sido as metas que mais obtiveram sucesso com a transferência da capital para o Centro-Oeste. No entanto, o Distrito Federal se desenvolveu de tal forma que exacerbou a desigualdade entre pobres e ricos. Para o presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Márcio Pochmann, a cidade carece de um projeto de longo prazo. Segundo ele, a capital federal não tem uma estratégia para enfrentar a desigualdade.

"Brasília precisa de um projeto para os próximos 50 anos para que ela recupere aquela perspectiva urbana e industrial de sua criação. A cidade está carente de um projeto de longo prazo. Esse adensamento populacional que temos na cidade foge da perspectiva inicial. O adensamento de pessoas no entorno do Distrito Federal está a demandar uma ação de estratégia", disse Pochmann.

Um estudo desenvolvido pelo Ipea constatou que, em 1978, a distribuição de renda era melhor no DF do que no resto do país (0,55 contra 0,60). No entanto, a situação se inverteu dramaticamente ao longo dos últimos 30 anos. Em 2008, o grau de desigualdade no DF era consideravelmente maior que no restante do país (0,63 contra 0,55). Para medir a desigualdade, o instituto usa o índice de Gini. Quanto mais próximo de 1, mais desigual.

"A evolução da distribuição de renda no Distrito Federal acompanhou o agravamento da desigualdade nas décadas de 80 e 90. Entretanto, apesar de a desigualdade de renda ter melhorado no Brasil a partir de 2001, a distribuição da renda permaneceu inalterada no Distrito Federal em níveis muito elevados de desigualdade", afirma o estudo.

Outro ponto de destaque é que enquanto as transferências de renda do governo contribuem para reduzir o grau de desigualdade no país, no DF, as transferências governamentais praticamente não afetam a distribuição. "Inclusive, as transferências aumentaram a desigualdade em 1998", afirmou o coordenador do estudo, Milko Matijascic.

"Sem dúvida, essas diferenças da distribuição de renda entre o Distrito Federal e o Brasil podem ser explicadas pelas diferenças na estrutura ocupacional, especialmente a alta concentração de funcionários públicos federais no Distrito Federal. O crescimento da renda do trabalho a partir de 2001 foi bem maior para os mais pobres do que para os trabalhadores de maior renda. Porém, entre os trabalhadores de alta renda, os funcionários públicos estão entre aqueles que apresentaram maiores aumentos salariais", destaca o Ipea. "Dessa forma, enquanto a desigualdade caía no país, estagnava no Distrito Federal."

Matijascic observa que os dados apontaram a necessidade urgente de retomar a visão empreendedora dos pioneiros da construção da capital como forma de evitar que, nos próximos 50 anos, a capital exacerbe os problemas comuns enfrentados pelos demais conglomerados urbanos brasileiros.

"Se os pioneiros de Brasília tiveram uma visão da importância da cidade para ativar a economia do Centro-Oeste, é necessário agora retomar a lógica do planejamento para que se faça uma cidade mais organizada, menos devastadora para os recursos naturais e ainda menos devastadora do ponto de vista social. Tempos uma sociedade muito heterogênea e com níveis de fragilidade preocupantes. Temos uma criminalidade crescente e uma constante falta planejamento", disse.