Estudantes acusam seguranças da Assembleia do PR de agressão

Joyce Carvalho , Portal Terra

CURITIBA - Estudantes que entraram na Assembleia Legislativa do Paraná (ALP-PR) para protestar contra os escândalos de atos secretos e contratações irregulares na Casa disseram terem sido repreendidos por seguranças da Assembleia e sofrido agressões na tarde desta terça-feira. Na semana passada, em outro protesto, manifestantes derrubaram o portão da Casa e invadiram o local.

Ligados à União dos Estudantes Paranaenses, os jovens tentaram entrar no plenário da Casa com uma faixa pedindo o afastamento do presidente da Assembleia, Nelson Justus (DEM), e do primeiro-secretário, Alexandre Curi (PMDB). Eles não conseguiram e estenderam a faixa no jardim da Casa.

O protesto foi impedido pela segurança do Legislativo. "Levamos tapa na cara, um amigo nosso foi enforcado, me derrubaram e pisaram no meu peito. Vários colegas ficaram com escoriações, um foi preso na sala de segurança e foi agredido", disse Adriano Matos, diretor no Paraná da União Nacional dos Estudantes (UNE). Os estudantes fugiram e buscaram abrigo nos gabinetes dos deputados Tadeu Veneri (PT) e Elton Welter (PT). Segundo as assessorias dos parlamentares, os seguranças tentaram entrar nos gabinetes, mas foram impedidos.

Em nota oficial, a Mesa Executiva da Assembleia informou que já determinou a abertura de sindicância para apurar o confronto envolvendo a segurança da Casa e estudantes. A Mesa lamentou o ocorrido e salientou que "enquanto os estudantes têm o legítimo direito de manifestação, desde que obedecendo a ordem e o decoro, os seguranças também têm o dever de manter a ordem e a integridade de todos que trabalham na Casa. Neste momento de crise todos devem manter a calma e a serenidade para evitar confrontos".